Escolha uma Página

Exclusivo: cabo do Exército grava investida e acusa sargento de assédio; veja vídeo
Reportagem exclusiva do Fantástico trouxe uma denúncia de assédio sexual no Exército. Caso envolvendo cabo e sargento teria acontecido dentro de um prédio no Rio de Janeiro onde moram generais do Exército.

Fantástico
Em reportagem exclusiva, o Fantástico deste domingo (14) trouxe uma denúncia de assédio sexual no Exército. Com um celular no bolso, um cabo gravou as investidas de um sargento durante o expediente. Na investigação aberta pra apurar o que aconteceu o Exército indiciou não apenas o sargento, mas também o cabo por suposto crime militar. Agora, o denunciante se diz prejudicado duas vezes – pelo assédio que ele conta ter sofrido e por ter passado de vítima a investigado. Veja a história em detalhes na reportagem em vídeo.
O assédio teria acontecido dentro de um prédio no Rio de Janeiro onde moram generais do Exército. O sargento Ricardo Godoi era responsável pela administração do prédio, que fica na Urca, de frente pra Baía de Guanabara. Uma área militar onde o cabo que denunciou o suposto crime fazia parte da segurança local.
O cabo, que não foi identificado, afirmou ao repórter Maurício Ferraz: “Ele me chamou pra fazer uma verificação de uma alteração em um apartamento que estava vazio. Ele fecha a porta. Quando ele me pede para sentar no sofá da sala, começa a fazer elogios do meu porte físico, né, e começa a acariciar as minhas pernas. Ele queria fazer sexo oral.”
Em conversa gravada pelo cabo no celular que levava no bolso da calça, o sargento promete recompensas – e é instigado a oferecer mais (veja na reportagem em vídeo). “Na hora, eu pensei em bater, em correr, em fugir. Só que eu consegui ter a frieza, o sangue frio pra poder acabar com esse mal que já vem há muito tempo”, afirmou o cabo.
O suposto crime está sendo investigado no Primeiro Batalhão de Polícia no Exército do Rio de Janeiro. O Fantástico teve acesso ao conteúdo dos depoimentos. Um deles é de uma testemunha que reforça as atitudes suspeitas do sargento. A testemunha é um soldado, que revela: “Em 2014, o Sargento Godoi o chamou na sala dele – naquele mesmo prédio. O sargento – que estava sentado – teria deslizado a mão por cima da sua mesa de trabalho até encostar na coxa do soldado, que estava em pé. Constrangido, o soldado saiu da sala rapidamente.”
Em depoimento, o sargento negou tudo e disse que não reconhecia a voz da gravação. Só que ele e o cabo passaram por uma acareação. Nela, o Sargento Godoi explicou detalhes dos dois encontros com o cabo no quarto andar do prédio. Contou que, no primeiro episódio, ele colocou a mão sobre as pernas do cabo. E que ouviu do cabo que nada era de graça. Sobre o segundo episódio, o sargento afirmou que o cabo permitiu contato físico. E admitiu que abriu o zíper da calça do cabo, e colocou a mão nas partes íntimas.
A sindicância concluiu que há indícios de que tanto o Sargento Godoi quanto o cabo cometeram crime sexual. O sargento por praticar um ato libidinoso. E o cabo por ter permitido. Agora, o caso será investigado num inquérito policial militar. O Ministério Público Militar é quem vai definir quem será mesmo denunciado e por qual tipo de crime. Em nota, o Exército disse que foram adotadas as medidas cabíveis. Não quis comentar o andamento da investigação e reafirmou sua responsabilidade com preceitos legais, princípios éticos e valores morais. O Sargento Godoi foi transferido da administração daquele prédio para outra função não divulgada pelo Exército.
O Fantástico tentou repetidamente entrar em contato com a defesa do sargento, mas não obtivemos resposta. Durante a apuração desta reportagem, o Fantástico conversou com três militares que se disseram vítimas de assédio por parte do sargento.
Fantástico/montedo.com

Skip to content