Escolha uma Página

O general Eduardo Villas Bôas revelou que suas postagens no Twitter em 2018, na véspera de o STF julgar habeas corpus de Lula para recorrer da condenação em liberdade, foram articuladas e “rascunhadas” em conjunto com o Alto Comando do Exército, informa O Globo.
As declarações fazem parte do livro “General Villas Bôas: Conversa com o Comandante”, recém-lançado pela Editora FGV, a partir de depoimentos concedidos pelo ex-comandante do Exército (nos governos Dilma Rousseff e Michel Temer) em 2019.
Vítima de uma doença neuromotora de caráter degenerativo, o general hoje respira com ajuda de aparelhos e se locomove em cadeira de rodas.
Na véspera do julgamento do habeas corpus do petista, Villas Bôas escreveu no Twitter que o Exército julgava “compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade” e que a instituição também defendia o “respeito à Constituição, à paz social e à democracia”.
Os petistas, claro, interpretaram as postagens como pressão do general sobre o STF. O golpe jurídico para manter Lula livre e candidato à Presidência não passou.
No livro, Villas Boas confirma o que O Antagonista antecipara: o recado era para o STF e os granadeiros dispostos a entrar na aventura de uma intervenção militar.
“Externamente, nos preocupavam as consequências do extravasamento da indignação que tomava conta da população. Tínhamos aferição decorrente do aumento das demandas por uma intervenção militar. Era muito mais prudente preveni-la do que, depois, sermos empregados para contê-la.”
O ex-comandante do Exército também classificou o episódio como “oportuno”. “Tratava-se de um alerta, muito antes que uma ameaça”.
O Antagonista/montedo.com

Skip to content