Escolha uma Página

Edson Pujol afirmou ainda que 25 mil militares atuam nas ações de enfrentamento à covid-19

Patrik Camporez, O Estado de S.Paulo
BRASÍLIA – Na data em que se comemora o dia do Exército Brasileiro, o comandante da força, general Edson Pujol, classificou a pandemia do novo coronavírus como “uma das maiores crises vividas pelo Brasil nos últimos tempos”.  Segundo a instituição, 25 mil militares estão atuando nas ações de enfrentamento à covid-19 no País.
Em Brasília, apoiadores de Jair Bolsonaro preparam manifestações para a tarde deste domingo, em defesa do Exército e também do presidente da República. Sites e grupos bolsonaristas na internet também marcaram carreatas para o dia de hoje pedindo a “deposição” do Supremo Tribunal Federal (STF) e de governadores. A mensagem do comandante do Exército diz que a força está à disposição do País caso seja solicitada.
Sobre a pandemia, o general Edson Pujol afirmou que tem apoiado o governo federal, Estados e municípios em ações como construção de hospitais de campanha, desinfecção de instalações públicas, produção de medicamentos e materiais de proteção individual. Os militares também têm atuado na distribuição de alimentos e participado de campanhas de conscientização, vacinação e doação de sangue.
“Quase  quatro séculos nos separam dos feitos dos heróis da Batalha de Guararapes. Aqueles brasileiros lutaram sem temor para defender o território colonial do invasor estrangeiro e, ao mesmo tempo, inauguraram um sentimento genuíno de pertencimento à terra e de amor à Pátria. Plantaram a semente de um país forte e soberano, de um povo capaz, guerreiro e solidário”, escreveu o comandante do Exército.
“À altura de sua grandeza, o Brasil possui, hoje, uma Força Terrestre comprometida, preparada e eficiente, em sintonia com as necessidades e aspirações do país. (…) Nação brasileira, nossa razão de ser e existir, conte sempre com o braço forte e a mão amiga do seu Exército. Amálgama da sociedade, cônscios dos nossos deveres de militar e cidadão, dos Pampas à Amazônia, do litoral ao Pantanal, exclusivamente dedicados, disciplinados, aptos e capacitados, somos 220 mil combatentes prontos para lutar sem temor!”, concluiu o general Edson Pujol.O Estado de S.Paulo/montedo.com

Skip to content