Escolha uma Página

Moradora de Praia Grande, no litoral paulista, ela considerou a pena baixa, já que o filho morreu afogado em um lago durante treinamento do Exército.

G1 Santos
“É como se eu tivesse enterrando meu filho pela segunda vez”, diz a dona de casa Michelly Turella, de 41 anos, mãe de Jonathan Cardoso, um dos três recrutas que morreram afogados durante treinamento em um lago do Exército em Barueri, na Grande São Paulo, em 2017. Moradora de Praia Grande, no litoral paulista, ela afirmou ao G1 nesta terça-feira (11) achar injusta a decisão judicial que determinou que o ex-tenente, ex-cabo e ex-soldado envolvidos no ocorrido receberão, cada um, pena de 2 anos de prisão, mas recorrerão em liberdade.
Jonathan nasceu em Santos e foi criado em Praia Grande, ambas cidades do litoral paulista. Segundo a mãe, desde pequeno, ele falava que o sonho dele era entrar para o Exército Brasileiro. “Tinha fotos dele na escola com roupa de militar. Inclusive, até fiquei feliz quando ele entrou no exército, achei que ele estaria seguro e amparado”, conta.
Dois meses após ser aceito como militar, Jonathan, conforme conta a mãe, passou por um exercício diurno de bússola, no dia 24 de abril de 2017, com outros três recrutas.
Na época, o coronel Igor Boechat, oficial de comunicação social do exército, confirmou que as instruções iniciais apontavam orientação diurna. “Nesta orientação, o soldado recebe uma espécie de mapa. A gente chama de carta e ele tem que percorrer alguns pontos com a bússola, de modo que ele consiga se orientar no terreno”, explicou.
“Nessa atividade eles tinham que pegar quatro códigos. Mas, quando foram entregar os códigos para o tenente, faltava um deles. Então o tenente deu a ordem de levá-los para esperar a janta. Porém, o cabo não seguiu a ordem e falou que eles deveriam pegar o código que faltava no charco. Isso não estava previsto inicialmente no exercício, e era, na verdade, um trote. Eles seguiram com um soldado, mas foram orientados só até metade do caminho. Ao subirem o morro sozinhos viram um lago, automaticamente foram cumprir a ordem e ocorreu essa fatalidade”, conta a mãe.

Parentes dizem que recrutas que morreram afogados não sabiam nadar
Jonathan e outros dois recrutas, que também tinham entrado no Exército havia poucos meses, serviam juntos no 21º depósito de suprimentos, na Lapa. O jovem, de 19 anos, Vitor Costa Ferreira, de 18, e Wesley dos Santos, também de 18, não conseguiram sair do lago. O outro militar só sobreviveu porque nadou, mas se feriu no teste. Segundo familiares, nenhuma das vítimas sabia nadar.
De acordo com Michelly, foi assim, que o que era para ser a realização de um sonho do filho, se tornou um pesadelo para a família. “No dia que soube da morte dele fiquei em choque. Nove meses antes meu filho de 21 anos já tinha falecido por uma doença. Já estava passando por um luto e quem tinha me dado todo o apoio era o Jonathan. Teve vezes que ele chorou pela forma que era tratado e treinado naquele lugar. Não quero generalizar o exército, só estou dizendo que desde a morte do meu filho eu não fui mais a mesma. Até hoje tomo fortes medicações. Recomeço todos os dias, e é muito difícil”, desabafa.

Julgamento
No processo, constavam como réus um capitão do Exército, que era o oficial de prevenção de acidentes da instrução; outro capitão, oficial responsável pelo exercício; um ex-tenente, responsável pela instrução de orientação diurna do exercício militar; um ex-cabo e um ex-soldado, ambos auxiliares de instrução.
O julgamento ocorreu no dia 30 de janeiro de 2020, no Foro da Justiça Militar, na região central da capital paulista. O ex-tenente Rodrigo de Oliveira Salatiel, o ex-cabo Felipe de Oliveira Silva e o ex-soldado Jorge Henrique Custódio Avanci foram condenados por dois crimes previstos nos artigos 206 e 210 do Código Penal Militar (CPM): homicídio culposo e lesão corporal culposa (ambos não intencionais). Já os dois capitães da ativa, que também respondiam pelos homicídios e lesão corporal contra as vítimas, foram absolvidos dos crimes militares.
Cada um deles recebeu pena de aproximadamente 2 anos e 6 meses de prisão. Como todos os acusados respondiam soltos aos crimes, poderão recorrer da sentença em liberdade. Todos foram julgados por um Conselho Especial de Justiça, que é formado por quatro oficiais da mesma Força de origem dos acusados e mais um juiz federal da carreira da Justiça Militar da União.
“O sentimento com essa decisão é de impunidade. É também de humilhação, descaso e injustiça. Parece que a vida do meu filho não valia nada. Eu sai de lá derrotada. Olhava os pais dos réus abraçando eles e dando parabéns, saindo rindo de lá de dentro e pensava: Quem eu vou abraçar? Meu filho não teve o direito de estar aqui. Ele tinha uma vida pela frente, sonhos a serem realizados. Hoje vivo como se faltasse uma parte de mim, porque no Brasil, a Justiça, infelizmente, só acusa o pobre”, destaca a dona de casa.

Justiça
Segundo a mãe, ela e as outras familiares das vítimas acreditam que a morte dos três jovens foi causada porque houve um trote aplicado pelos militares. Para Michelly, as penas poderiam ser maiores considerando a gravidade do ocorrido.
G1/montedo.com

Skip to content