Ciro Gomes, candidato do PDT à Presidência Foto: Evaristo Sá/AFP

Ciro diz que, em seu governo, ‘general Villas Bôas estaria demitido’
Em sabatina, candidato do PDT criticou fala pública de general sobre instabilidade do País, condenou acordo Embraer-Boeing e disse que o PT ‘só pensa em si, não no Brasil’

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

RIO – O candidato do PDT à Presidência da República, Ciro Gomes, disse nesta quarta-feira, 12, em sabatina no jornal O Globo, que em seu governo o general Eduardo Villas Bôas, comandante do Exército, teria sido demitido por sua fala pública sobre a instabilidade política no Brasil, e “provavelmente pegaria uma cana”.

Villas Bôas afirmou, em entrevista ao Estado, que “a legitimidade do novo governo pode até ser questionada” e que o ataque ao candidato do PSL, Jair Bolsonaro, na quinta-feira, 6, “materializa” seu temor de que a intolerância e a polarização na sociedade afetem a governabilidade. “No meu governo, militar não fala em política. Ele estaria demitido e provavelmente pegaria uma cana. Eu conheço bem o general Villas Bôas. Ele está fazendo isso para tentar calar as vozes das cadelas no cio que estão se animando, o lado fascista da sociedade brasileira”, afirmou Ciro.

“O general Mourão (vice de Bolsonaro) é um jumento de carga, que tem entrada no Exército. Quem manda nesse País é nosso povo. Tutela, sargentão dizendo que vai fazer isso e aquilo, comigo não acontecerá. Sob a ordem da Constituição, eu mando e eles obedecem. Quero as Força Armadas poderosas, modernas, altivas. Não quero envolvidas no enfrentamento do narcotráfico, isso é papo de americano.”

O candidato do PDT criticou o acordo entre a Embraer e a norte-americana Boeing para a criação de uma empresa para tocar a viação comercial da companhia brasileira. Ele considera o acerto “clandestino”, e disse que a reversão não seria uma quebra de contrato. “Nem a pau, Juvenal”, disse.

Ciro reafirmou ser preciso revogar a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do teto de gastos para que se possa investir em saúde e na educação. Ele pontuou que “outros candidatos” querem entregar a saúde pública à iniciativa privada, privilegiando ricos em detrimento de pobres.

Ao falar sobre a crise fiscal nos Estados, citou Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais e propôs um “redesenho do pacto federativo”, uma “grande negociação no atacado”. “O centro de gravidade da política brasileira não é Brasília, é a federação, Estados e prefeitos”.

Ciro criticou a desindustrialização do Brasil, e defendeu a proteção de setores da indústria. Citou o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, por seu protecionismo anti-importações: “Trump está errado e nós, brasileiros, estamos certos?” Ele defendeu “desratização” do Brasil ao falar das agências do governo aparelhadas politicamente. “As agências serão passadas pelo pente fino. Quem não for salvável, será fechada. Eu falo com o Congresso.”

Críticas a Fernando Haddad
Ciro também disse que Fernando Haddad, se eleito, será “presidente por procuração de Lula”, comparando-a à ex-presidente Dilma Rousseff em termos de “inexperiência” para ocupar o Palácio do Planalto. Ciro criticou o PT por só ter anunciado Haddad no lugar do ex-presidente Lula na terça-feira, 11, e afirmou que o partido “só pensa em si”, não no Brasil”.

Ao comentar o convite que recebeu do PT para ser vice de Lula quando a candidatura do petista foi posta em xeque pela Lei de Ficha Limpa, disse: “Veio Dilma, Roberto Requião intermediando essa conversa. O Brasil não precisa de presidente por procuração. Sou amigo de 30 anos do Lula, estive na luta contra o impeachment, 2/3 dos votos do Ceará foram contra, fui ministro dele. Mas o Brasil não aguenta outra Dilma.”

Sem atacar Haddad, ele disse que o candidato não tem estofo para ocupar o Planalto por não conhecer o Brasil. “Haddad, não por demérito dele… Ele não conhece o Brasil, não tem experiência, até ele saber onde fica a cabeça do cachorro, o Vale do Jequitinhonha, o Alto Solimões… Fica difícil. Minha crítica é a essa dinâmica, que se aproveita dessa generosa gratidão pela obra do Lula que o povo tem, de repente você agora nomear uma pessoa. A gente já viu esse filme”.

Para Ciro, o PT põe seus interesses acima das demandas nacionais. “O brasileiro tem que separar o justo interesse do PT e o interesse nacional, visto pelo ângulo mais progressista, solidário ao pobre, (que pensa nas) questões do petróleo, Eletrobrás, que estarão em jogo no voto agora. O PT muitas vezes dá demonstração de que só pensa em si. Neste casso, é flagrante isso. Todos eles sabiam que Lula não poderia ser presidente, em vez de respeitar a inteligência do povo, manipularam.”

Ciro diz que sai da política se Bolsonaro ganhar
Ciro Gomes disse que, em caso de eleição de Jair Bolsonaro (PSL), líder nas pesquisas de intenção de votos, ele sairá da política e não integrará oposição a ele. “(Se Bolsonaro ganhar) eu vou desejar boa sorte a ele, cumprimentá-lo pelo privilégio e depois eu vou chorar com a minha mãe. Eu saio da política. A minha razão de estar na política é amor, paixão, confiança. Se nosso povo por maioria não corresponder, vou chorar”.

Ele comentou ainda que o eleitor que “vota em (Jair) Bolsonaro quer matar” o Brasil. Ele criticou afirmações feitas por aliados do candidato do PSL após o grave ataque a faca que ele sofreu em Juiz de Fora na semana passada. “Bolsonaro, uma aberração, sofre um atentado. Aí vai o Magno Malta, o Silas Malafaia… O filho dele diz ‘vamos ganhar essa bagaça no primeiro turno’. Estão insultando a inteligência da população. Estou tentando propor um caminho mais racional”.

Ao falar de sua vice, Kátia Abreu, afirmou que não aceitou convite para ir durante a campanha à Confederação da Agricultura e Pecuária (CNA), da qual ela foi presidente, por ter a entidade uma “posição muito retrógrada, bolsonarista. Uma pessoa que vota no Bolsonaro quer matar meu País, me tem como inimigo”.

Sobre Kátia, explicou: “Eu convidei porque ela me completa, porque somos diferentes. No pensamento mais conversador, sou visto como uma pessoa mais de esquerda, mesmo procurando ser moderado, equilibrado, que gosta de produzir resultados. Kátia presidiu a CNA, teve tarefa extraordinária, por isso é uma pessoa proscrita lá”.

O pedetista afirmou que ainda que se sua vice pensasse diferente dele no tocante à legislação sobre agrotóxicos, não a ouviria. “Pouco importaria pra mim se ela fosse a favor, com todo o respeito. Eu não admitiria (a liberação de mais agrotóxicos nas lavouras), mas felizmente ela é contra.”

Ao se comparar com Fernando Haddad, disse que a atual fase da campanha, com o petista oficializado como postulante, “vai ser uma intrigalhada infernal” para o eleitor do campo da esquerda se decidir. “Aparentemente é um eleitorado à esquerda, ao centro, pessoas que têm simpatia pelo Lula. Mas vou evitar essa intriga. Eu acho que sou um pouco mais largo que ele (Haddad). A proposta que eu tenho fala para a centro-esquerda, inclusive negando o PT. Quero que o Brasil saia dessa contradição que já está descambando para a violência, com amigos desfazendo a amizade. O Brasil não cabe nessa miudice de coxinhas contra mortadelas”.

Lula
Para ele, o posicionamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com relação à definição da candidatura petista deve ser relativizado por sua condição de preso. Ele chamou de “desatino” a escolha de Haddad, mas eximiu Lula (preso pela Lava Jato após condenação em segunda instância pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro).

“O Lula a gente tem que relativizar, ele está isolado, é muito doído. Somos amigos, já brigamos, eu o apoiei em todos os momentos dos últimos 16 anos, abri mão de ser candidato (a presidente). Eu aguentei em nome do Brasil. Agora, o Lula perdeu os grandes amigos, Márcio Thomaz Bastos, Luiz Gushiken morreu, o (Antonio) Palocci está preso, o José Dirceu sofreu esse constrangimento, ele perdeu Dona Marisa. Hoje, está cercado de puxa-saco, perdeu a percepção genial da realidade. Se não estivesse, ele não estaria permitindo tantos desatinos”.

A única vez em que sua ida foi cogitada pelo PT foi quando das conversas para que ele compusesse a chapa de Lula como vice. “Achei isso um insulto. Eu iria por razão pessoal, humanitária, não política. O Lula não é o satanás para mim, nem um deus. É um presidente que foi muito bom para o povo brasileiro e que merecidamente tem desse povo gratidão”, explicou.

“Mas isso não deveria obrigar nenhum de nós a achar que Lula é infalível. Ele indicou Dilma, ele escolheu Temer, escolheu Haddad pra ser prefeito de São Paulo e ele perdeu no primeiro turno na reeleição. É para a gente pensar. O Lula é uma pessoa boa, mas suas escolhas podem ser erradas”.

O ESTADO DE SÃO PAULO/montedo.com

Skip to content