Simulador SAFO (Imagem: Defesa Net)

* Norton Luiz Silva da Costa

Meus distintos amigos
Sobre as supostas e injustas denuncias formuladas contra a pessoa do Gen Mourao
A Tecnobit é uma das maiores empresas de Material de Defesa do mundo, com vários projetos e clientes como a Boeing e outras empresas de grande porte e tem clientela militar nos países da OTAN. Foi a única empresa que ofereceu total transferência de tecnologia para o desenvolvimento de um projeto nacional sobre um Sistema de fogo de ARTILHARIA sob a forma de um simulador. Foi criada, para o desenvolvimento do projeto, uma equipe conjunta com militares brasileiros (engenheiros militares do IME e oficiais combatentes).Foi criado , no DECEx pelo Gen Marco Aurélio com a finalidade de dar um impulso na Art e aperfeiçoar as técnicas de tiro visando economicidade de tempo e gastos de munição..

Oficiais Brasileiros estiveram na Espanha, sede da Empresa dentre os quais um Coronel de Artilharia que passou um ano na Espanha e tinha problemas de relacionamento com os espanhóis e com os demais integrantes da equipe do projeto, brasileiros . Os requisitos técnicos do Simulador deveriam ser descritos pelos engenheiros e artilheiros brasileiros, contudo a tecnologia empregada nos cálculos de tiro, seria desenvolvida pela empresa, bem como a base de Tecnologia da Informação que seria criada para o simular o ambiente do terreno brasileiro, isso por contrato, deveria ser a transferência de tecnologia exigida no documento. Durante a fase de concepção do projeto se identificou problemas de natureza não técnica, normal para um projeto de tamanha magnitude, como a descrição dos artefatos nos requisitos do sistema.

Com o passar do tempo as relações entre as equipes técnicas foram piorando ao ponto de “travar” as fases de levantamento de requisitos. Apesar dos esforços da empresa, a equipe do projeto simplesmente trabalhava contra a concepção inicial do projeto, por isso, o General Mourão ao assumir a Gerencia desse Projeto, foi decisivo para permitir que o sistema fosse executado, assumindo os esforços de avançar nas entregas e cumprimento de clausulas previstas no acordo de desenvolvimento . Antes de o Gen Mourão ser o gerente tivemos o General Mayer. Ao logo do processo de construção é indiscutível que houve atrasos por parte da empresa, mas dado a complexidade do projeto, estaria dentro da normalidade. A Tecnobit, integrante do Grupo Oesia, operava em 2016 no Rio de Janeiro, através de seu escritório brasileiro, com profissionais brasileiros, executaram a implantação do sistema conforme constante em contrato. Aos poucos os problemas de ordem técnica e pessoal foram superados e os resultados estão à disposição de todos. Nesse ponto não há como deixar de dizer que o General Mourão foi importante para determinar que profissionais de capacidade técnica duvidosa jogasse ao ralo um projeto dessa importância.

Ressalto que equipe técnica brasileira da Tecnobit nunca aventou nem detectou qualquer tipo de desvio de conduta de militares brasileiros para favorecer a empresa. A própria reportagem não indica ilicitude, apenas suspeição infundada por um oficial que foi destituído do cargo e da função por não produzir os resultados esperados. O SIMAF já passou por melhorias adaptativas processadas por equipe brasileira e não resta dúvida técnica que se trata do mais moderno simulador de fogo de artilharia do mundo. Os engenheiros do IME fizeram um excelente trabalho.

O SIMAF está em pleno uso na AMAN mas ainda há necessidade de recursos para terminar o segundo simulador, que está em Santa Maria-RS.O EB agregou valor considerável ao empreender esse projeto já que além da transferência de tecnologia de ponta , abriram o código para os engenheiros brasileiros desenvolverem, foi comprado um simulador, mas viria outro de brinde, o de Santa Maria.

O sistema é fantástico e complexo. Com sensores instalados em diversos tipos de dispositivos modernos de artilharia e VANT . A meu ver o projeto é maravilhoso e a evolução da Arte da Guerra passa pela resolução de problemas advindos do emprego e utilização do sistema. A economia gerada e fantástica e o aprimoramento técnico profissional dos Artilheiros e da nossa Artilharia será de valor para o emprego de um Exercito moderno e atuante.

A Secretaria de Economia e Finanças do Exercito , em suas ações de auditoria externa esteve em Santa Maria este ano, com uma comitiva de autoridades civis, do TCU e do Min Publico Militar conhecendo nossa força de blindados e o Projeto do SIMAF foi detalhado nessa visita. As impressões foram as melhores possíveis e corroboraram a lisura do processo de implantação e o controle fiel dos gastos públicos.

Da mesma forma ate a presente data desde o inicio desse projeto nunca houve nenhuma contestação por parte do TCU e já passados quase 10 anos de seu desenvolvimento o que corrobora a lisura do processo. A ação do Gen Mourão, nesse caso , foi a conduta de afastar o pessoal que estava a frente desse desenvolvimento , que tecnicamente apresentava deficiência e que emperrava as ações dando descontinuidade e gerando gastos indevidos e desnecessários atrasando os trabalhos e seu desenvolvimento. Isso com certeza gerou desconforto e atritos que hoje se refletem e lhe tentam indispor junto a mídia e aos demais brasileiros tentando lhe denegrir a imagem justamente nesse momento no qual o acusado justamente se lança em uma candidatura nas eleições de outubro próximo. Agiu como grande profissional militar e discípulo de Emilio Luiz Mallet .

*Coronel de Infantaria QEMA

Edição: montedo.com

Skip to content