Escolha uma Página
Militares destroem barricadas do tráfico na Vila Kennedy (Luis Kawaguti/UOL)
Luis Kawaguti e Paula Bianchi
Do UOL, no Rio 
As Forças Armadas passaram parte da sexta derrubando barricadas nas favelas.Desde o começo da manhã desta sexta-feira (23) na favela Vila Kennedy, na zona oeste do Rio, as Forças Armadas escolheram montar a sua base quase ao lado de uma das principais bocas de fumo da comunidade, considerada umas das mais violentas da capital fluminense. Apenas uma pequena ponte improvisada sobre um córrego encanado separa os soldados e a boca.
Junto aos equipamentos dos militares também foram instalados banheiros químicos. O CML (Comando Militar do Leste), no entanto, não informou até quando as Forças Armadas irão permanecer no local.
Os militares ocuparam ainda as favelas vizinhas Vila Aliança e Coreia e passaram o dia destruindo barricadas montadas pelo tráfico para dificultar o acesso ao interior da comunidade e revistando carros. Também solicitaram documentos e fotografaram moradores que deixavam o local, em uma ação criticada por organizações de direitos humanos.
Em julho, quando foi decretada a GLO (Garantia de Lei e Ordem) que determinou o envio das Forças Armadas para o Estado, o ministro Raul Jungmann definiu com o governo do Rio que os militares não iriam participar de ocupações prolongadas, aos moldes do que aconteceu no Complexo do Alemão, em que as tropas permaneceram por dois anos, e na Maré, em que ficaram por um ano.
Até o momento, não foi apresentado o planejamento de segurança da intervenção federal, mas fontes ouvidas pelo UOL dizem que as Forças Armadas preferem evitar repetir essas situações – a ocupação da Maré em 2014, em especial, sofreu duras críticas e terminou com a saída das Forças Armadas sem que o projeto inicial, da instauração de uma UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) no local, fosse
realizado.
A ação dos militares na favela nesta sexta teve 27 pessoas encaminhadas para a delegacia e duas pistolas e um fuzil apreendidos. Também foram encontrados carregadores de arma, munição e oito radiotransmissores, segundo informações da Secretaria de Segurança Pública do Rio.
Com 3.200 militares, a ação ocorre dois dias após criminosos assassinarem o subcomandante da UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) da Vila Kennedy, o segundo tenente Guilherme Lopes da Cruz, 26, enquanto comprava comida em um drive-thru de uma lanchonete. Ele estava envolvido na investigação do assassinato de um sargento do Exército.
As Forças Armadas não esclareceram se a operação está relacionada aos dois assassinatos. Em nota, diz apenas que ela faz parte de uma programação de ações da operação de GLO –as ações no âmbito da intervenção federal ainda não tiveram início.
A comunidade é dominada pelo Comando Vermelho. Nas vielas às quais o UOL teve acesso na manhã desta sexta, diversas pichações fazem alusão à facção, além de pregar a morte de policiais da UPP e do chamado “alemão” (inimigo de facções rivais, na gíria carioca).
Leia mais.
UOL/montedo.com
Skip to content