Escolha uma Página
Militares montaram bloqueios nas entradas de complexo de favelas
Resultado de imagem para tropas do exercito rj danilo verpa
Comboi do Exército deixa quartel em Deodoro (Danilo Verpa/Folharess)
SÉRGIO RANGEL
No início da noite desta segunda-feira (19), equipes do Exército montaram barreiras nas principais entradas do Complexo do Chapadão. Atentos à movimentação, os moradores dos bairros de Guadalupe e Anchieta foram discretos e evitaram comentar a movimentação.
Centenas de militares entraram em pontos estratégicos do complexo de favelas, que se estendem pelos bairros de Guadalupe, Pavuna e Anchieta.
O Chapadão é dominado pelo tráfico e por gangues de roubo de cargas.
“Essa intervenção é apenas uma maquiagem. Já vi isso outras vezes. Daqui a um tempo, vai tudo continuar como era antes”, disse a motorista Cristina Piranga, 37.
Ela disse que mora numa das entradas “mais barra pesada” do complexo. “Tiroteio, bailes intermináveis e cargas sendo vendidas na minha porta são uma constante. Essa intervenção só vai expor o filho dos outros”, disse a motorista, apontado para um soldado do Exército, posicionado numa das barreiras instaladas pelos militares.
“Não acredito que esses garotos têm mais experiência para subir o morro que um policial militar”, acrescentou.
O aposentado Jair Matias, 58, disse que também não acreditava no sucesso da intervenção na comunidade.
“Aqui tem muito bandido. Tem que colocar uns 200 tanques desses”, afirmou Matias, apontado para o Guarani (veículo blindado), estacionado na rua Fernando Lobo.
“Vamos ver o que vai acontecer. Torço pelo sucesso, mas não acredito muito”, completou.
Nas duas primeiras horas de operação na entrada da rua Fernando Lobo, a Folha presenciou apenas um gesto de apoio aos militares.
Uma criança de dois anos pediu ao pai para cumprimentar um soldado.
Até 19h40, o clima era de tranquilidade. Os militares revistavam os carros que entravem e deixavam a comunidade. Nenhum tiro foi disparado.
FOLHA/montedo.com
Skip to content