Escolha uma Página
Ele tem mandado de prisão por desvio de alimentos quando comandava um batalhão em Nova Santa Rita
Humberto Trezzi
Tenente-coronel reservista do Exército tem prisão decretada e está foragido da Justiça Comando Militar do Sul / Divulgação/Divulgação
Justiça diz que Oberdan Schiefelbein (foto), quando comandou o batalhão,
desviou suprimentos em conluio com empresa fornecedora
Foto: Comando Militar do Sul / Divulgação / Divulgação
O tenente-coronel da reserva do Exército Oberdan Schiefelbein entrou esta semana para a lista de foragidos da Justiça, conforme informação obtida com exclusividade por Zero Hora. Ele teve ordem de prisão decretada pela 1ª Auditoria da 3ª Circunscrição da Justiça Militar. O oficial está condenado por desvio de verbas destinadas à compra de alimentos para a 3ª Região do Comando Militar do Sul. A Polícia Judiciária Militar (composta por integrantes da Polícia do Exército) fez buscas, mas não encontrou o militar em sua residência.
Conforme o Ministério Público Federal, o tenente-coronel Oberdan, quando comandava o 3º Batalhão de Suprimentos, em Nova Santa Rita (RS), atestou notas fiscais da Intersul Alimentos, sem que os produtos fossem de fato entregues. Em alguns casos, os alimentos eram de qualidade inferior ao contratado na licitação. O valor que sobrava era dividido entre ele e os outros acusados, dirigentes da empresa. O comandante do batalhão e o casal proprietário da empresa que fornecia os mantimentos, Mário Steffen e Marisa Carvalho da Rosa, também foram condenados. Outros réus — dois oficiais do Exército — foram absolvidos no processo.

Leia tambémTenente-coronel do Exército e esposa são condenados por fraudar licitações no RS. Dois tenentes são absolvidos

Conforme o processo judicial, Oberdan atestava, no verso das notas fiscais emitidas pela Intersul Alimentos, o falso recebimento das mercadorias. Na realidade elas não eram entregues na data atestada ou eram entregues em quantidade e/ou qualidade diversa da que constava nos respectivos documentos. Os fatos teriam ocorrido por volta de 2004.
Oberdan foi condenado pela Justiça Militar a cinco anos e 10 meses de reclusão. Corre contra ele também, no Superior Tribunal Militar, uma ação de Representação para Declaração de Indignidade para com o Oficialato, cuja penalidade é perda de posto e patente. Caso seja condenado, perderá sua aposentadoria.
Os réus também foram condenados por improbidade administrativa e terão de devolver R$ 211.445,00, corrigidos para valores atuais (os crimes ocorreram há mais de uma década). Conforme o MPF, o prejuízo teria passado de R$ 1 milhão, mas provas documentais foram destruídas.
ZERO HORA/montedo.com
Skip to content