Escolha uma Página
Exército deve empregar até 1.500 homens em área de conflito
Até 1.500 militares serão usados para evitar conflitos no sul do Estado. (Foto: Marcos Ermínio)
Thiago de Souza
A 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada do Exército foi mobilizada, nesta terça-feira (1), para executar a Operação Dourados, que abrangerá as cidades de Antônio João, Bela Vista, Aral Moreira e Ponta Porã. De acordo com o CMO (Comando Militar do Oeste) o objetivo da ação que contará com até 1.500 homens é preservar a ordem pública e evitar conflitos entre grupos indígenas e produtores rurais no sul do Estado.
A intervenção militar começou no domingo (30) após pedido do Governo do Estado e autorizado pela presidente Dilma Rousseff. A 4ª Brigada tem sede em Dourados e o efetivo empregado na operação pode variar, dependendo da evolução dos acontecimentos.
A base de apoio logístico começou a ser montada, na tarde desta terça-feira, na entrada das fazendas Fronteira, Barra e Cedro. Neste local há um posto de bloqueio e controle de acesso, mas trânsito vai permanecer livre.
Ainda nesta tarde o Exército disse que iria sobrevoar a aldeias e fazendas ocupadas. Na BR-364, os militares colocaram redutor de velocidade, também próximo a entrada das fazendas. Até o momento, cerca de 250 militares do exército haviam sido empregados na segurança da região.

Leia também

MS: Governo pede intervenção do Exército em conflito entre índios e produtores. Imagens inéditas mostram a destruição em fazenda invadida.

Conflito agrário no MS: após morte de indígena, Exército se prepara para intervir

Na quinta-feira (3) será realizado um dia de Assistência Humanitária no distrito de Campestre. Inicialmente será só um dia, com ações cívicas, apresentação de banda, atendimento médico, dentista e lanche durante o dia para os indígenas.
CAMPO GRANDE NEWS/montedo.com

Imagens da destruição promovida pelos invasores na fazenda Primavera, na última quinta-feira (27):
Skip to content