Escolha uma Página
Estado apoia sistema do Exército para monitoramento de fronteira, diz Richa
Gov. Beto Richa vsiista 5 Divisão do Exército
(Imagem: AN/Pr)
O governador Beto Richa garantiu nesta segunda-feira (24), durante encontro com o comandante da 5ª Divisão do Exército, general Luiz Carbonell, que o governo estadual dará todo o apoio necessário para que a segunda fase do Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (Sisfron) seja implantada na região de fronteira do Paraná com o Paraguai e Argentina. Desenvolvido pelo Exército, o programa usa radares, sistemas de comunicação e veículos aéreos não tripulados para o monitoramento da fronteira.
O governador esteve na sede da 5ª Divisão e foi recebido pelo comandante Luiz Carbonell, com desfile militar e salva de tiros de canhão. Richa defendeu a emergência de reforçar a segurança nas fronteiras e disse que buscará recursos públicos e privados para financiar a implantação do programa. Uma das formas utilizadas será as emenda de bancada para o orçamento da União. “O Estado dará todo apoio para viabilizar esse importante projeto, fundamental para o combate da criminalidade no Brasil. O Paraná está localizado numa posição estratégica e precisa de um sistema de monitoramento avançado como esse”, afirmou o governador.
TEMPO REAL
O sistema é baseado em uma rede de sensores colocados sobre a linha de fronteira, interligada a sistemas de comando e controle, que, por sua vez, estão interligados às unidades operacionais com capacidade de dar resposta, em tempo real, aos problemas detectados.
O programa, que terá investimento de R$ 11,9 bilhões em dez anos, irá fortalecer a atuação do Exército garantindo mais infraestrutura no controle e combate ao crime organizado e ao tráfico de drogas e armas na faixa de fronteira do Brasil. Estão previstos R$ 5,9 bilhões em infraestrutura tecnológica, R$ 3 bilhões em infraestrutura de obras civis e R$ 3 bilhões para infraestrutura de apoio à atuação operacional em toda a fronteira terrestre nas regiões Norte, Centro Oeste e Sul.
O general Luiz Carbonell, comandante da 5ª divisão do Exército, explicou que a primeira etapa do Sisfron foi feita no Mato Grosso do Sul. O projeto, disse ele, é muito caro e precisa de apoio político e financeiro para ser aplicado no Paraná. “Precisamos do apoio para proteger nossa fronteira. O Exército está investindo muito no Paraná e contribuindo para criação de empregos e crescimento econômico do Estado”, afirmou.
O comandante agradeceu a parceria com o governo estadual. “Esse é um encontro para estreitarmos ainda mais a boa relação entre o Governo do Paraná e o Exército”, disse. A 5ª divisão do Exército atende o Paraná e Santa Catarina com efetivo aproximado de 35 mil soldados.
BATALHÃO DE FRONTEIRA
O Paraná tem 19 municípios que fazem fronteira direta com o Paraguai e a Argentina, numa extensão de 1,4 mil quilômetros, e outros 120 municípios na área de influência da fronteira. Os principais crimes verificados na região são tráfico de drogas e de armas, de explosivos e munições, contrabando e exportação ilegal, roubo e furto de veículos, imigração ilegal e atuação do crime organizado internacional.
O governador afirmou que o Paraná desenvolve vários programas específicos na área de segurança pública, que podem ser integrados ao sistema de monitoramento do Exército. É o caso do Batalhão de Fronteira da Polícia Militar (BPFron), sediado em Marechal Cândido Rondon. “Estamos blindando nossa fronteira, que é a principal entrada de armamento pesado e de drogas no País. O batalhão permite grandes operações conjuntas com todas as forças de segurança, inclusive o Exército Brasileiro”, afirmou.
O secretário de segurança pública, Fernando Francischini, o comandante-geral da Policia Militar do Paraná, coronel César Kogut, e o secretário chefe da Casa Militar, Adilson Castilho Casitas, também participaram do evento.
AGÊNCIA DE NOTÍCIAS (PR)/montedo.com
Skip to content