Escolha uma Página

Ministério da Defesa prepara 30 mil militares para trabalhar nas eleições 

(Imagem: Folha da Manhã)

FolhaPress

BRASÍLIA, DF – O Ministério da Defesa prepara 30 mil militares para trabalhar durante as eleições deste ano, com a expectativa de atuarem em 250 cidades do país. Os militares devem ter a participação solicitada pela Justiça Eleitoral. Até o momento, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) aprovou ação militar em 95 localidades no Pará, Tocantins e Rio Grande do Norte, na chamada GLO (Garantia da Lei e da Ordem). No caso de GLO, a participação militar se restringe a segurança para que funcionários da Justiça Eleitoral possam fiscalizar pontos de denúncia de irregularidades ou para que candidatos possam fazer campanha, além da proteção de locais de votação. Segundo o comandante Walter Marinho Sobrinho, “o militar que identificar um crime eleitoral deverá comunicar o juiz eleitoral, que dará a orientação de como agir”. “O foco principal dos militares é o acesso das zonas eleitorais. O discernimento do que é crime eleitoral fica um pouco mais difícil e ele está orientado a comunicar o fato ao juiz”, diz o chefe de seção de operações complementares do Ministério da Defesa. Em geral, os militares das Forças Armadas contam também com apoio da Polícia Militar e outras forças policiais, que poderão ser acionadas neste tipo de situação. Além da GLO, os militares farão apoio logístico em pelo menos 88 localidades. Nesses casos, o uso do aparato militar será destinado ao transporte de urnas e funcionários da Justiça Eleitoral a locais de acesso difícil ou remotos. A expectativa do Ministério da Defesa é, até o dia 5 de outubro, atender 250 localidades. Como o pedido parte da Justiça Eleitoral, é possível que até às vésperas da eleição o TSE possa alterar as demandas ou ampliá-las. PÓS-COPA Uma das novidades para a operação das eleições em 2014 é o uso do centro de comando e controle, criado para a Copa do Mundo. Esse centro monitora diversas operações no país e facilita a integração das diversas forças. No local, diversas organizações deverão atuar, como o TSE e os próprios militares. (R. A.)
TN ONLINE/montedo.com
Skip to content