Escolha uma Página
Durante seu tradicional discurso do Memorial Day no cemitério de Arlington, na Virgínia, o presidente americano reforçou sua promessa de concluir no final deste ano a guerra do Afeganistão
Obama coloca uma coroa de flores no “Túmulo dos Desconhecidos” no Cemitério Nacional de Arlington, na Virgínia, durante o Memorial Day, em 26 de maio (Foto: Reuters)
O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, aproveitou a comemoração do Memorial Day para agradecer nesta segunda-feira o “sacrifício” dos veteranos de guerra, em um momento no qual seu governo enfrenta um escândalo com relatos sobre a ocultação dos registros das longas filas de espera nos hospitais que atendem aos ex-combatentes.
Em seu tradicional discurso no cemitério de Arlington, no estado da Virgínia, Obama destacou o “último sacrifício” dos soldados que “aqui jazem” e acrescentou que devem ser tomados como “exemplo”.
O presidente americano iniciou a tradicional cerimônia solene de homenagem com a colocação de uma coroa de flores diante do “Túmulo do Soldado Desconhecido” no cemitério situado nos arredores da capital americana.
“Temos que garantir que os veteranos recebam os cuidados e os benefícios dos quis têm direito e merecem”, acrescentou Obama.
O governo dos EUA se encontra imerso em um escândalo após as acusações que relacionam as mortes de 40 ex-combatentes, que esperavam por tratamento em um hospital do Departamento de Assuntos dos Veteranos em Phoenix, no estado do Arizona, com a manipulação de registros para ocultar as longas listas de espera.
A polêmica fez com que vários legisladores republicanos solicitassem a renúncia do titular do Departamento de Assuntos dos Veteranos, Eric Shinseki.
Por enquanto, Obama defendeu Shinseki e prometeu “punir” qualquer negligência.
Para fortalecer sua imagem entre os combatentes, Obama realizou neste fim de semana uma viagem surpresa ao Afeganistão para agradecer os esforços dos mais de 30 mil militares que estão de serviço no país asiático.
Obama reforçou hoje em Arlington seu compromisso de concluir no final de 2014 a guerra do Afeganistão, que já dura mais de 13 anos e é a mais longa da história dos EUA.
No cemitério, onde estão enterrados os mortos em combate desde 1864, há mais de 250 mil túmulos de veteranos e militares que lutaram desde aquele ano até as últimas guerras no Iraque e Afeganistão.
Segundo a Associação de Veteranos de Iraque e Afeganistão (IAVA, sigla em inglês), cerca de 2,8 milhões de americanos serviram nas duas guerras.
TERRA/montedo.com
Skip to content