Escolha uma Página
Orçado em R$ 1,2 bilhão em Mato Grosso do Sul e com prazo de dez anos para sair do papel, o Sisfron (Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras) ativa em abril três quartéis, localizados em Mundo Novo, Iguatemi e Caracol.
“Serão 200 homens nos quartéis”, afirma o general Lourival Carvalho Silva, que comanda a 4ª Brigada de Dourados. As unidades serão ativadas entre 2 e 3 de abril. A 4ª Brigada é responsável por 650 km na faixa de fronteira, entre Mundo Novo e Caracol. “Temos várias obras em andamento, muitos equipamentos, viaturas”, afirma Carvalho. O efetivo vai passar de 4.500 para 4.700.

Leia também:
SISFRON: Em 2 anos, programa para fronteira investe 3,6% do previsto para década

De acordo com o chefe do Centro de Operações do CMO (Comando Militar do Oeste), general Elias Rodrigues Martins Filho, o projeto piloto é desenvolvido em Dourados e a implantação deve ser concluída no fim de 2014.
“Na primeira fase do projeto piloto foi identificado o que faltava de equipamentos e o que poderá ser utilizado para melhorar a nossa capacidade de monitorar essa faixa de fronteira”, afirma o general Elias. O Sisfron pretende gerar informações que serão compartilhadas com as forças policiais, como PF (Polícia Federal), PRF (Polícia Rodoviária Federal) e polícias estaduais. O Estado faz fronteira com Paraguai e Bolívia.
Para funcionar em todo o país, o sistema, que começou em 2012, vai custar R$ 12 bilhões. No entanto, os valores já investidos são bem menos generosos. Segundo o gerente geral do Sisfron, general João Roberto de Oliveira, em 2012/2013 foram R$ 240 milhões. O valor foi destinado à ativação de tropas e obras. Para 2014, o programa tem R$ 218 milhões assegurados. “Vamos utilizar até metade do ano e buscar recursos complementares”, afirma o gerente geral.
O Sisfron prevê uso de tecnologia para tirar da fronteira o estigma de “terra de ninguém”. Serão adotados câmeras, radares, sensores e o Vant (Veículo Aéreo Não Tripulado). “A gente tem muito pouco. As unidades de fronteira, a patrulha, a operação Ágata algumas vezes por ano”, afirma o general Oliveira.
Ele explica que são apenas dois Vants. Um da Força Aérea e outro da PF, ambos na região Sul do País. O Sisfron é discutido de hoje a sexta-feira no Estado. Nesta segunda-feira, é realizada reunião no CMO, em Campo Grande.
Nos demais dias, serão realizadas visitas aos quartéis localizados na faixa de fronteira, que engloba os municípios de Dourados, Amambai, Iguatemi, Mundo Novo, Ponta Porã e Bela Vista.
Campo Grande News/montedo.com
Skip to content