Escolha uma Página
Um Brasileiro na Russia – Бразилец в Самаре
Entrevista concedida por Jeferson da Silva Figueiredo a Dária Daróskina, jornalista do Portal da Universidade Federal de Samara, na Rússia em 13 de dezembro de 2006, sobre a sua chegada na Cidade de Samara, sua vida, planos, aspectos do Brasil e do povo brasileiro e outros temas do entrevistado.
Traducão e interpretacão de Irakli Naleva
Jeferson da Silva Figueiredo … sons exóticos. Não, esta não é uma nova composição de rap e não uma marca de roupa, ou até mesmo “eu te amo” em espanhol. Este é o nome de um homem que chegou a Samara de um país chamado Brasil. Ele chegou em nossa cidade e trouxe consigo um pouco da temperatura e da luz do sol brasileiro,. Moreno , de olhos castanhos e sempre sorrindo. Aqui ele já esteve na televisão em entrevistas, ou no campo de futebol assistindo um jogo. Atualmente ele vive aqui em Samara no inverno e anda pela cidade, conversando e, aprendendo a lingua russa com as pessoas e está feliz em sua vida.

Antes da Viagem
Tudo foi muito incrível e também foi uma surpresa viajar para a Russia.
Quem está chegando para nós? A maioria dos estudantes de intercâmbio são voluntários. Ele é um jovem iluminado. Eles têm planos e idéias na Russia. Ele é alguém que está a procura do conhecimento da cultura russa, e com isso ganha alguns novos amigos
Gov de SC Luis Henrique, Figueiredo e Gov de Samara/Russia
Fotografia: Fátima Damasceno

Nosso herói tem uma história diferente. Jeferson Figueiredo viajou à Rússia para aprender aprimorar o seu conhecimento com o idioma russo,este país o qual ele é apaixonado desde a infância. Ele tem 42 anos, embora seja impossível de acreditar. Elegante e atlético brasileiro e aparenta no máximo 30 anos ( o clima fazisso com as pessoas!). Jeferson da silva Figueiredo pratica esportes como triathlon, maratona e ironman, gosta de atividades ao ar livre e viajar, ele é muito ativo. Formado em Direito, mas atualmente não advoga e é militar músico. Ele é sargento e toca flauta na banda do Exército Brasileiro. Nascido Rio de Janeiro- Brasil, ele já viajou muito no seu país, onde já viveu em sete capitais. Incluindo Rio de Janeiro e São Paulo, , Campo Grande (MS) Fortaleza, Recife, Belém e Florianópolis. Neste último local é onde reside – a cidade Florianópolis (Estado de Santa – Catarina .

Figueiredo com a vida estabilizada poderia pensar em viver, aproveitar a vida e não fazer mais nada. Mas ele decidiu de outra maneira – e tentou mudar o seu destino.
Jeferson da Silva Figueiredo: “Quando criança, eu fiquei interessado na Rússia e quis vir aqui. Eu gostei da história russa. Eu me pergunto como vocês estão se sentindo com as mudancas: o comunismo, a reestruturação do país com a democracia e o capitalismo.
Na Russia existem inúmeras personalidades que fizeram história e projetaram o seu país, um monte de gente maravilhosa:. Tchaikovsky, Rimsky-Korsakov, Gagarin, Yeltsin, Putin “
Aparentemente inspirado por Tchaikovsky , ele começou a estudar o idioma russo sozinho.
Figueiredo: “Eu já estudei árabe, Inglês, Francês, Alemão – tudo um pouco, mas quando pegou russo percebeu que isto é o que eu gosto.
Por dois anos ele estudou o idioma russo por conta própria, sem um instrutor com o dicionário. Isto é incrível. E você tem que ser muito determinado para levar este sonho sem esmorecer.
O encontro com o governador, ou o “Cinderella”
Em 22 de fevereiro de 2005 em Santa Catarina chegou delegação da Samara/Russia. A comitiva era composta além do Governador, de altos funcionários. Ele soube do evento pelos jornais. Fez contato com o Governo do Estado de Santa Catarina, mesmo sem conhecer ninguém, e para a sua sorte, a Banda de Música do Exército onde ele era primeiro sargento músico, foi escalada para tocar o Hino Russo e assim aconteceu.
Figueiredo era um mero desconhecido mas mesmo assim não desistiu. Alguns dias antes da comitiva russa chegar em Santa Catarina ligaram para ele perguntando se ele podia ajudar na tradução, todavia ele respondeu que ainda não estava preparado para esta tarefa.
Quando chegou o dia e a Banda executou o Hino Nacional Brasileiro e o Hino da Russia, o Governador de Santa Catarina soube da presença do jovem desbravador e o convidou para que ele o apresentasse para o Governador de Samara Konstantin Titov.
Neste momento foram muitos flashes, câmeras, e a mídia.
E, claro, nosso herói estava no lugar certo na hora certa, ou seja, na reunião em si e na mesma banda de música. Mais do que isso – ele era o único brasileiro que falava em russo (havia o dr. Roberto Colin que era o tradutor).
Após a parte oficial, ele após ser chamado, aproximou-se e disse: “. Governador, meu nome é Jeferson da Silva Figueiredo, e eu estudei dois anos sem um professor russo”
Então, tudo como um conto de fadas sobre Cinderela, o Governador de Samara Região Konstantin Titov convidou Jeferson Figueiredo para visitar nossa cidade e para estudar russo, e o governador de Santa Catarina prometeu ajudá-lo a chegar aqui. Poucos meses depois, Figueiredo chegou em nossa cidade.
O Conto de fadas continua
Jefferson: “Eu gosto de Samara. É uma cidade muito boa, interessante e amigável. Fiquei agradavelmente surpreendido com a hospitalidade com que eu encontrei. Eu me lembro quando eu cheguei, fui recepcionado por duas belasmulheres . Elas estavam esperando por mim no aeroporto, e depois fui levado para a Universidade Estadual, num carro oficial da Universidade,onde eu comecei a estudar já no segundo dia.
Assim, aos 42 Jefferson voltou a ser um estudante – um estudante estrangeiro em Samara.
O nosso herói estuda 5 dias por semana durante quatro horas, ele aprende a escrever e falar em russo, lê livros, assiste TV, canta canções (de preferência … e Valéria) e se comunica com todos.
Ele vendeu o seu carro e com o dinheiro, está custeando sua alimentacão, viagens e manutencão.
Aliás sobre comunicação, o Figueiredo tem uma capacidade única para fazer novos amigos. Durante três meses ele conseguiu se familiarizar com um grupo de pessoas: estudantes e professores universitários, visitantes estrangeiros, voluntários e pessoas simplesmente na rua.
“Samara me deu um monte de grandes reuniões” – com um sorriso, ele diz.Este e é o caminho.
Ele, conheceu aqui, alguns de seus compatriotas famosos – o jogador de futebol da selecão brasileira Dudu Cearense do CSK, Wager Love e um brasileiro chamado Marcus Brunelli casado com uma russa, a Sveta.
Marcos e Figueiredo fizeram uma grande amizade aqui na Russia, como irmãos. Aqui cada um de nós tem uma história diferente.
Ele consegue tudo quase tudo aqui. Já foi convidado a participar de conferências, sendo o único latino americano presente, já foi convidado por uma empresa para fazer contatos e vendas para o Brasil, e fez tudo de graca, guardando o melhor para si, a aprendizagem e a amizade em Samara. Ele se diz que entusiasmado com a cidade, sua natureza e arquitetura. Mais recentemente, ele parecia uma criança estava feliz em ver a neve pela primeira vez tocá-nla. Ele fez boneco de neve e brincou de jogar bolas de neves com os amigos e com o Brasileiro Marcos Brunelli.
Os planos
Não há lugar como o lar. Samara, um contode fadas, um sonho, vai acabar mais cedo ou mais tarde. Nosso herói está bem ciente e tem planos para o futuro, é claro.
Ele quer servir na Embaixada Brasileira em Moscou … ou voltar ao Brasil e trabalhar como tradutor na administração de seu estado natal.
Figueiredo: Outro plano é que realmente eu quero escrever um livro: um guia para o Brasil para os turistas russos para desenvolver amizade e cooperação entre os países.
Aqui ele já viajou para muitas cidade, como Moscou, Volgagrado, Penza, São Petersburdo, g, Omsk, Nova Sibéria, Taichet, e muitas outras, tendo viajado pela Trans Siberiana.
Aqui ele já enfrentou o frio de menos 29 graus, na trans siberiana e já atravessou pé o Rio Volga totalmente congelado.
Ele é o primeiro e único brasileiro a vir aqui e estudar na Universidade de Samara. O único de Santa Catarina, do Brasil e do Exército Brasileiro, por isso temos muito orgulho do nosso herói.
Skip to content