Escolha uma Página
Grupos de auto-defesa da Crimeia tentam convencer os militares a integrarem a Frota Russa ou que se mudem para outra parte da Ucrânia
Oficial naval ucraniano (c) passa por homens armados, possivelmente militares russos, a medida em que deixa o quartel naval em Sevastopol
Oficial naval ucraniano (c) passa por homens armados, possivelmente militares russos, a medida em que deixa o quartel naval em Sevastopol (REUTERS/Vasily Fedosenko)
Simferopol – Uma multidão de civis, alguns deles mascarados e inclusive mulheres, invadiram nesta quarta-feira o quartel-general da Marinha ucraniana na cidade de Sebastopol, na península da Crimeia, informou o Ministério da Defesa da Ucrânia.
“Os oficiais tentam conter a multidão. Há gente mascarada e outros não, mas não há homens armados”, disse Vladislav Selezniov, porta-voz do Ministério da Defesa ucraniano na Crimeia.
O funcionário acrescentou que os invasores derrubaram uma cerca para entrar na área do quartel-general.
“Está claro que nossos oficiais não vão usar a força contra mulheres”, enfatizou o porta-voz.
Selezniov disse que durante a noite não foram registrados incidentes em outras unidades militares ucranianas na Crimeia.
“Em todas as partes tentam convencer nossos militares a integrarem a Frota Russa do Mar Negro ou que se mudem para a parte continental da Ucrânia”, acrescentou.
A Ucrânia denunciou ontem que um suboficial de suas forças armadas morreu baleado por supostos soldados russos em uma base em Simferopol, um incidente no qual também ficou ferido um capitão ucraniano.
Segundo as autoridades da Crimeia, um membro das milícias russas de autodefesa morreu e outros dois foram feridos por disparos de franco-atiradores perto da mesma base militar ucraniana.
“Os disparos vinham do mesmo ponto e estavam voltados para duas direções: contra as milícias de autodefesa que verificavam uma denúncia que advertia sobre a presença de homens armados em um edifício em construção, e em direção à base militar ucraniana próxima”, declarou um porta-voz da república autônoma da Crimeia.
EXAME/montedo.com
Skip to content