Escolha uma Página
Patrono do QAO
Você sabe quem foi Antônio João?
Homenageado na principal praça de Dourados, citado no hino de Mato Grosso do Sul e com uma cidade com seu nome. Mas quem foi Antonio João?
Eduarda Rosa

Antônio João Ribeiro, herói da Guerra do Paraguai, derramou seu sangue na luta para defender o Brasil da invasão do país vizinho. Mesmo estando com apenas quatorze homens, enfrentou duzentos soldados paraguaios até a morte e proferiu a célebre frase: “Sei que morro, mas meu sangue e o dos meus companheiros servirá de protesto solene contra a invasão do solo de minha Pátria”.
Nasceu em 24 de novembro de 1823, na Vila de Poconé, na época Província do Mato Grosso. Ingressou na carreira militar em 1841 e galgou graduações até ser promovido a 1º Tenente de Cavalaria, em 1860.
Antônio João desempenhou missões de campo, servindo em diversos destacamentos militares de fronteira, até ser comissionado como comandante da Colônia Militar de Dourados, na qual morreu durante batalha na data de 29 de dezembro de 1864.
Vespasiano, Camisão

E o tenente Antonio João,

Guaicurus, Ricardo Franco,

Glória e tradição!

(Trecho do Hino de Mato Grosso do Sul)

Colônia Militar de Dourados
Local em que tombou o Tenente Antônio João
(colaboração do R.A. “Chapa Quente”)
Contudo, a Colônia Militar de Dourados, não era situada na cidade de Dourados, e sim onde hoje fica a cidade de Antonio João. Na época aquela região fazia parte do município de Ponta Porã, e o nome veio da proximidade com o rio que tinha muitos peixes dourados.
Essa e outras curiosidades foram respondidas em entrevista ao DouradosNews, pelo advogado e estudioso da história de Antônio João, José Tibiriçá. Ele também conta, com base em um livro escrito por militares em 1938, que foi comprovado que o lugar onde Antonio João morreu, posteriormente foi construída a casa de sua bisavó.
“Quando foi confirmado que os restos mortais de Antônio João estavam embaixo da casa de minha bisavó, Carlota Gomes, viúva de João Luiz Gomes que também participou da Guerra do Paraguai, o exército pediu para que pudessem colocar uma cruz em frente à casa dela, e foi rezada uma missa campal”, conta Tibiriçá.
Anos depois, uma tia avó de Tibiriçá, doou 30 hectares de suas terras para a criação do museu dedicado a história do herói de guerra, que fica no município de Antônio João, situada a 173 km de Dourados.
DOURADOSNEWS/montedo.com
Skip to content