Abin cria sistemas de criptografia para proteger dados do governo

Os recentes escândalos de espionagem dos EUA elevaram o interesse de autoridades brasileiras por aparelhos protegidos, negligenciados por serem considerados complexos
Lisandra Paraguassu – O Estado de S. Paulo
Defesa: Amorim é um dos que usam telefone criptografado. Foto: Dida Sampaio/ Estadão
BRASÍLIA – Enquanto a presidente Dilma Rousseff espera que os Estados Unidos esclareçam “tudo” sobre a suspeita de espionagem de autoridades do País, o governo brasileiro tem prontos equipamentos que podem aumentar a proteção das comunicações da mandatária e de seus ministros.
Há pouco mais de um mês, técnicos da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) apresentaram ao Palácio do Planalto dois novos produtos que permitem criar áreas seguras, criptografadas, dentro de computadores e tablets.
Feitos para proteger dados de espiões e sistemas de monitoramento, o CriptoGOV e o cGOV devem estar prontos para uso nos próximos dias. Os novos equipamentos foram apresentados no Planalto em 14 de agosto a representantes de mais de 30 ministérios.
O sistema, muito mais simples que os existentes hoje, é uma espécie de pen drive chamado de Plataforma Criptográfica Portátil (PCP), que pode ser conectado em qualquer porta USB, acompanhado de um aplicativo.
O sistema cria áreas seguras no computador, em outro pen drive ou na própria plataforma. Ali, os documentos que forem criados são automaticamente criptografados. Com o cGOV, esses documentos podem ser transmitidos pela internet também sob segurança.
Os técnicos da Abin acreditam que a facilidade de operação do sistema permitirá que a presidente, ministros e outros servidores com acesso à informações sensíveis passem a usar com mais frequência os sistema de criptografia. Até o escândalo que revelou a espionagem americana no Brasil, ministérios, a Presidência e empresas com informações sensíveis tinham dificuldade de encarar o uso da proteção de dados como necessidade primária.
Proteção Made in Brazil
+ Telefone fixo seguro: Linha com criptografia de voz desenvolvida pela Abin. Usada pela Presidência, Ministérios da Defesa e Relações Exteriores, Polícia Federal, Forças Armadas, Abin e Petrobrás, entre outros.
+ Telefone móvel seguro: Sistema análogo para celulares. usado pela presidência, Defesa e Itamaraty, entre outros.
+ Criptografia: Plataforma de criptografia portátil, em formato de pen drive, que cria zonas seguras, onde podem ser feitos documentos criptografados.
+ cGov: Sistema de transmissão de dados seguro que permite aos usuários enviarem documentos uns aos outros sem risco.
Hábito
A Abin criou há alguns anos telefones – fixos e móveis – com transmissão criptografada que dificultam a decodificação de conversas sigilosas. Dilma tem telefones fixos em suas salas, no Planalto e no Alvorada, e também um dos celulares, criptografados.
Outros ministros, como Gleisi Hoffmann (Casa Civil), Luiz Alberto Figueiredo (Relações Exteriores) e Celso Amorim (Defesa) também possuem aparelhos fixos e móveis protegidos. Mas a maioria revela certa dificuldade de usá-los.
O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, revelou que, apesar de ter o celular seguro, a presidente quase nunca o usa. O ex-chanceler Antonio Patriota usava o fixo mais para receber chamadas. Tinha o cuidado de, ao falar de assuntos sensíveis, evitar seu próprio celular – variava entre os dos assessores -, mas raramente carregava o seguro.
Amorim parece ser um dos únicos que têm o hábito de usar o aparelho protegido. Mas conversas mais sensíveis com os comandantes das Forças são feitas pessoalmente.
Depois da denúncia de que os EUA monitoravam as comunicações de Dilma e assessores próximos, aumentou o interesse pelos equipamentos da Abin. Eles devem começar a ser distribuídos nos próximos dias.
Quase todos devem receber tanto os telefones quanto os novos sistemas de codificação. Com a criptografia, espiões podem até acessar e-mails ou telefonemas, mas conseguirão ver e ouvir apenas ruídos e códigos.
Considerada de primeira linha, a criptografia brasileira é a chance mais palpável de proteger dados sigilosos. Hoje, o País não tem estrutura para ter uma internet independente, cujos dados não passem pelos EUA – todos os cabos de transmissão e os 13 hubs existentes são americanos.
Enquanto a criptografia fornecida por empresas privadas tem “portas dos fundos” deixadas pelas empresas para que a Agência de Segurança Nacional (NSA) possa quebrar seus códigos, como revelou o jornal The New York Times, o projeto nacional não teria esse problema.

5 respostas

  1. Prezados leitores,
    Permito-me recordar-los que em um passado recente houve a prisão de um "funcionário" da ABIN, acusado de copiar grande volume de arquivos sigilos sem autorização. Seria no mínimo temerário acreditar, nesses "concursados" e empregar as soluções disponibilizadas pela ABIN.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo