Ibama e Exército se unem contra o desmatamento ilegal em Mato Grosso

Mato Grosso que vinha atuando em duas bases, Juína e Sinop, agora receberá mais duas bases de fiscalização com a chegada da Operação Hiléia Pátria.
A operação Onda Verde, deflagrada no mês de fevereiro pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) em seis locais estratégicos com riscos de desmatamento ilegal na Amazônia, continua agindo no combate aos criminosos ambientais. Mato Grosso que vinha atuando em duas bases, Juína e Sinop, agora receberá mais duas bases de fiscalização com a chegada da Operação Hiléia Pátria, que trará a participação do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam) e do Exército Brasileiro por tempo indeterminado.
O decreto nº 7957/2013 instituiu o Gabinete Permanente de Gestão Integrada para Proteção do Meio Ambiente e regulamentou a atuação das Forças Armadas na proteção ambiental. Em Mato Grosso o Exército estará participando por meio do Comando Militar Oeste e serão empregados soldados da 13ª Brigada de Infantaria Motorizada, de Cuiabá, no apoio de inteligência, comunicações, segurança e instrução aos agentes do Ibama. Haverá utilização de veículos, inclusive helicópteros, para transporte de homens e, também, de caminhões para o transporte de bens apreendidos.
No último dia 11 aconteceu uma reunião na Gerência Executiva do Ibama em Sinop, com participação de oficiais do Exército e técnicos do Censipam, para definir a logística de apoio as bases da Operação Hiléia Pátria na região. Estarão sendo montadas, inicialmente, uma base em Marcelândia e outra em Feliz Natal, mas a atuação se estenderá aos municípios circunvizinhos, especialmente aos localizados entre a BR-163 e Parque Indígena do Xingu.
“Com a Operação Hiléia Pátria continuaremos atuando em caráter ostensivo, preventivo e permanente”, afirma o Superintendente do IBAMA no Mato Grosso, Marcus Keynes. “Com o apoio do Exército seguiremos punindo os desmatadores e demais criminosos ambientais com maior efetividade”, conclui Keynes. Leia mais.
EXPRESSO MT/montedo.com

3 respostas

  1. Gostaria de saber por que o exercito ta nessa? Será que não temos nada para fazer além disso? Duvido que essa tropa ta ganhando alguma diária para fazer isso. Os companheiros da tropa se bobear nem representação ta ganhando. Por que temos que ficar fazendo trabalho dos outros de graça? Será que vamos ter que sobreviver disso agora? Logo logo vamos estar varrendo ruas , capinando beira de estrada… Quero saber se alguém da PF vai para uma missão dessa sem diária. NÃO VAI MESMO. O pessoal da tropa vai sem nada, dorme em qualquer lugar, de qualquer jeito, e tem gente que acha que alguém vai reconhecer o nosso sacrifício.

  2. O exercito só faz isso agora, apaga incêndio, faz segurança de evento, faz trabalho da policia, faz trabalho de todo mundo… Somos trouxas mesmos. Só não ganhamos o salário que esses órgãos ganham. Quem paga a conta dessa sacanagem toda e a tropa. Gen Enzo, por que tenho que fazer trabalho da policia, de mata mosquito, de agente do ibama, etc…? Eu não recebo nada por isso. Ganhamos mal, nao temos a menor consideracao do governo, somos tratados a ponta pe por eles. Quem ganha com isso? Quem e que se beneficia com isso? Não temos que fazer isso, muito menos de graca.Vamos ter dignidade com o subordinado. Nao vamos sugar a tropa e o subordinado em troca de cargo e boquinhas. Entrei no exercito para atirar,adestrar para a guerra, não para ser lixeiro, varredor de rua, que do jeito que a coisa anda, logo logo estaremos fazendo.

  3. Vocês são um bando de bebês chorões, com as profissões que a Força nos ensinam podemos muito bem fazer um bico aqui fora, tais como: Gari, agente de saúde, segurança, porteiro, fiscal de prova, bombeiro, polícia, controle de endemias, fiscal de tráfego, controle de zoonoses, defesa civil, motoristas. etc, etc,etc…
    Agradeço imensamente aos meus comandantes pela preocupação com o bem-estar da minha família assim como a família militar.
    Muito obrigado ao Gen Enzo, e a cúpula do Forte Apache

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo