Salvos de virar sucata, blindados alemães comprados pelo Brasil viraram um bom negócio. Bom para quem, cara-pálida?

Um leitor do blog deu a dica, e lá fui eu verificar: como foi fartamente noticiado, inclusive por este blog, o Brasil adquiriu recentemente da empresa alemã Krauss-Maffei Wegmann (KMW) um lote de 34 blindados Gepard, 8 dos quais irão integrar o sistema de artilharia antiaérea que vai garantir a segurança na Copa das Confederações. É bom lembrar que o material não atende as exigências para a Copa do Mundo de 2014, pois a FIFA requer sistemas com capacidade de atingir alvos até 15 km de altitude (o Gepard alcança até 5,5 km). Para a Copa, o Brasil negocia a aquisição de material russo.
O Gepard, desenvolvido na década de 60, utiliza tecnologia ultrapassada,
tanto que, na Europa, já foi retirado de operação. Na América do Sul, os chilenos encomendaram um lote desses blindados há quatro anos,
mas devolveram o equipamento após testar quatro unidades.
 Agora, veja estas imagens:

À direita, temos o Gepard em ação, durante demonstração feita pela KMW no Campo de Instrução de Formosa (GO), em outubro de 2011. À esquerda, um lote do mesmo blindado aguarda sua vez de virar sucata, num colossal desmanche de guerra alemão, situado em Rockensussra.
Assistam a reportagem de Marcos Losekan para o Jornal Nacional:

Perceberam? Para a empresa alemã, após virar sucata, cada blindado pode render até R$ 800 mil. Os 34 Gepard custarão ao Brasil cerca de R$ 78,4 milhões (30 milhões de euros). O custo unitário, portanto, fica em cerca de R$ 2,3 milhões, quase três vezes o valor obtido pelo desmanche.
Salvos (?) de virar lixo militar reciclável, os carros comprados pelo Brasil sofreram uma remodelação, tendo sido “recuperados” em 2010, recebendo novas tecnologias que, supostamente, permitirão que operem até 2030.
Certamente, um bom negócio.  A dúvida é: bom para quem, cara-pálida?

Leia também:

Empresa quer vender ao Exército 36 blindados antiaéreos com tecnologia dos anos 60

Artilharia de segunda mão: Brasil compra da Alemanha equipamento para ser usado na visita do Papa

Chega ao Rio artilharia antimíssil para Copa das Confederações

 

 

4 respostas

  1. E o cidadão brasileiro trabalhando 6 meses por ano para pagar impostos, olha aí para onde vai o dinheiro da derrama. Agora a pergunta; isso é incompetência ou má fé mesmo?

  2. É o velho e carcomido CIRCO, muito próprio de governo populista. Mas tá piorando: o "PÃO E CIRCO" virou "SUCATA E CIRCO." Eia, povo alegre e povo feliz!

  3. Inacreditável, não consigo imaginar um bando de velhinhos (generais) em volta de uma mesa (alto comando) e chegando a conclusão de que o ferro velho alemão é a única solução!!! Chegamos ao fim!!!

  4. Muita desinformação no texto. Os Gepard testados pelo Chile eram usados pelo Exército da Bélgica e estavam em péssimas condições, nunca tendo sido modernizados, ao contrário dos brasileiros. O próprio site cai em uma grande contradição: diz que os Gepard brasileiros escaparam de ser reciclados por terem sido desativados por usarem tecnologia ultrapassada e, logo no final do texto dizem que:
    "Salvos (?) de virar lixo militar reciclável, os carros comprados pelo Brasil sofreram uma remodelação, tendo sido "recuperados" em 2010, recebendo novas tecnologias que, supostamente, permitirão que operem até 2030."
    A modernização a que foram submetidos em 2010 trocou todos os sistemas analógico e que usavam obsoletas válvulas, por sistemas digitais de última geração, incluindo computadores de tiro e radar de tiro. Estamos falando de uma modernização feita a cerca de 4 anos que preparou o blindado a operar até 2030 com o Exército alemão. Então, porque o Exército alemão desativou o Gepard após uma modernização dessas? Simples: mudança de doutrina operacional.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo