No Sul: Forças Armadas apreendem mais de 800 quilos de explosivos

No Sul
Mais de 800 quilos de explosivos são apreendidos em operação militar de preparação para a Copa das Confederações
Pelo menos 9,3 toneladas de drogas foram apreendidas na Região Sul pelos agentes de segurança responsáveis por monitorar a fronteira brasileira

Foto: Exército/Divulgação

Thiago Tieze
Realizada em toda a extensão da fronteira brasileira com os países da América do Sul desde o dia 18 de maio, a Operação Ágata apreendeu 855 quilos de explosivos, 8 toneladas de maconha, 381 quilos de drogas como cocaína, crack e haxixe, além de mercadorias contrabandeadas, somente nos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.
Segundo o General do Exército Carlos Bolivar Goellner, que comanda a operação na Região Sul, a ação conta com 12 mil militares somados a 600 agentes distribuídos pelos três estados da região. Nacionalmente a operação soma mais de 30 mil agentes de segurança pública envolvidos.
Além dos explosivos, drogas e mercadorias, os militares também apreenderam 80 toneladas de pescado sem origem durante patrulhas navais realizadas em Rio Grande, e 231 quilos de agrotóxicos contrabandeados do Uruguai na região da Campanha. De acordo com a Receita Federal, o valor do material apreendido supera os R$ 22 milhões.

Foto: Exército/Divulgação
— Realizamos a operação nos mais de 16 mil quilômetros de extensão de fronteira brasileira. Contamos com a participação de oficiais observadores do Paraguai e do Uruguai, com quem trocamos informações. O principal objetivo principal dessa operação é a troca de informações com agências do governo e forças de segurança de todo o país — afirma o general.

Foto: Exército/Divulgação
A ação é comandada pelo oficial diretamente do Centro de Operações montado no quartel-general do Comando Militar do Sul, em Porto Alegre, onde agentes federais, da Polícia Federal, Agência Nacional de Aviação Civil e Correios, por exemplo, ficam reunidos com militares do Exército, Marinha e Aeronáutica, a fim de facilitar o fluxo de informações entre as instituições. 
Zero Hora/montedo.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo