‘Marechala do Ar’: Dilma ‘invade’ cabine do piloto e vira ‘corneteira’ dos voos oficiais

Dilma ‘invade’ cabine do piloto e vira ‘corneteira’ dos voos oficiais
Dilma cumprimenta o brigadeiro Joseli pela promoção ao último posto (Foto: Sargento Batista FAB)
NATUZA NERY
DE BRASÍLIA
A presidente Dilma Rousseff não tolera turbulências –nem as corriqueiras agitações da política nacional nem as literais: ela detesta quando o avião presidencial sacode em pleno ar.
Foi pelo medo do balanço que se habituou a verificar, pessoalmente, o plano de voo antes de decolar, tal qual um controlador de tráfego aéreo.
Ela estuda com diligência cartas meteorológicas e fez questão de aprender a ler os enigmáticos dados do painel da cabine do piloto, recinto em que, aliás, já é habitué.
Não raro, Dilma exibe, a 39 mil pés, seu estilo de chefia tão conhecido em terra.
“Joseli, por que o avião está sacudindo?”; “Joseli, que curva é essa?”; “Joseli, eu não quero ir mais rápido se for para passar por turbulência”.
O requisitado é Joseli Parente Camelo – tenente-brigadeiro do Ar e autoridade máxima nas rotas oficiais desde os tempos em que a Presidência era ocupada por Luiz Inácio Lula da Silva.
Dilma costuma acionar o militar de quatro estrelas por um botão ao lado de sua poltrona. Quando o Airbus sacode, é fatal: a campainha toca. E, dependendo da trepidação, toca com muito vigor.
Certo dia, ela viajava de Brasília a Porto Alegre quando um detalhe curioso chamou a atenção de uma assessora. No lugar de uma linha reta, o gráfico que descrevia a trajetória da aeronave mostrava um zigue-zague. Motivo: a presidente insistiu para que Joseli fugisse do agito.
Os deslocamentos aéreos da presidente Dilma costumam demorar mais do que os voos comerciais.
Nas companhias privadas, as nuvens densas não são uma barreira. Afinal, sacudir em grandes altitudes é ruim porque incomoda, mas não por ser inseguro. Além disso, seguir em linha reta é mais rápido e mais barato.
Certa vez, o desvio foi tão grande que a aeronave fez a “curva” em Mato Grosso antes de aterrissar em Brasília.
Acostumado com as exigências da passageira, até o brigadeiro Joseli, como é conhecido, chegou a brincar: “Veja aqui, presidente, por onde a senhora quer ir”. 
Folha de São Paulo/montedo.com

Comento:
Como se nota, o profissionalismo e a perícia do quatro estrelas viraram pó de traque, tudo para agradar a ‘presidenta’. Pelo visto, quanto mais alto o escalão, mais a disciplina se confunde com servilismo.

13 respostas

  1. CARACTERISTICA TIPICAMENTE MILITAR, CONFUNDIR SUBORDINAÇÃO COM SUBMISSÃO, A PRESIDENTE É GOVERNANTA DE UM ESTADO NÃO PILOTO DA FAB;TIPICO DE PESSOAS QUE NEM SABE O QUE FAZ E NO ENTANTO ACHA QUE SABE DE TUDO!!!,BRASIL UM PAÍS DE TOLOS.

  2. Não vou digitar o que penso, pois por dever de ofício do dono do blog, teria que ser deletado. Mas, se me permite, deixa eu só dizer o que sinto dessa senhora: NOJO!!!

  3. Segurança de voo para quê? Se eu fosse o Brigadeiro colocava como filme a bordo a história do voo do Presidente polonês que se espatifou na Rússia levando metade do Governo, pq o piloto foi indiretamente pressionado a tentar pousar a aeronave no meio de uma neblina tão densa que o controlador na Torre não conseguia nem mesmo ver o pátio de estacionamento abaixo de si.

  4. MONTEDO, PÓ DE TRAQUE É POUCO. ISTO É SUBSERVIÊNCIA MESMO.PELO VISTO TEM MUITA GENTE NESSE PAÍS VIRANDO CACHORRINHO DE MADAME MESMO.

  5. Todo este medo de morrer da Dilma é explicável em poucas palavras. Chama-se "consciência pesada" por ter matado inocentes quando era "guerrilheira". A justiça na terra é omissa, mas, o Senhor todo poderoso, lá no céu, não é. Espere criminosa, o seu dia chegará!!!

  6. Esse blog está cheio de "gaudério macho". Não é mesmo Montedo? Gostaria de ver essa valentia toda se no lugar do responsável pelos vôos fosse qualquer um de nós. Quem seria o galo pra enfrentar a Presidente sem temer as consequências para sí e seus familiares. É muito fácil dar uma de macho ´quando se está vestindo pijaminha e pantufa.

  7. Amigo, você está medindo aos outros com sua própria régua. O que você faria é problema seu.
    De minha parte, digo que sempre fez parte da minha vida enfrentar as consequências dos meus atos. O que é certo é certo, e deve prevalecer. O R-Quero nunca teve vez comigo.Nem sempre me dei bem, mas, afinal, pomba que come pedra sabe o c* que tem.
    Nesse caso, é pura questão de profissionalismo e vergonha na cara. Então, o cara estudou e ralou uma vida toda para ser tenente brigadeiro e uma paisana, seja ela Dilma ou Ivete Sangalo, é que vai lhe dizer como ele deve pilotar o avião que comanda?
    Se tivesse vergonha na cara, deveria – ele sim – vestir 'pijaminha e pantufa'.
    Servilismo em último grau, e ponto final. Assim caminham as Forças Armadas. E,a julgar por um raciocínio como o seu, a tendência é piorar.

  8. Nossa!!! Um Oficial general de 4 estrelas para pilotar um avião pra transporte da nossa "nata" de políticos,quanta importância, deve ser muito "boca boa" essa missão…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo