Rio cobra garantias do Exército sobre terreno para autódromo

Imagem e legendas: Terra

Rodrigo Viga Gaier

Após tomar conhecimento que o terreno cedido pelo governo federal e o Exército para a construção do novo autódromo do Rio de Janeiro pode conter artefatos explosivos, o governo estadual cobrou das autoridades federais explicações para ver se leva o projeto adiante, afirmou o secretário da Casa Civil, Régis Fichtner, nesta quinta-feira.
“O governo do Estado precisa de uma garantia do governo federal que todos os locais em que houver qualquer tipo de intervenção estejam livres de artefatos explosivos”, disse o secretário em entrevista coletiva.
A escolha de um novo local para abrigar o autódromo não está descartada, segundo ele. “Se não houver solução, vamos ter que buscar outro terreno”, disse Fichtner.

Leia também:
Antigo campo de instrução do Exército, local do novo autódromo do Rio é ‘tijolo quente’

O Autódromo de Jacarepaguá foi demolido para a construção do Parque Olímpico dos Jogos de 2016, com a garantia de que uma nova pista de corridas seria construída na zona oeste da cidade.
A licitação para a construção do novo autódromo está programada para junho, mas, diante das revelações sobre a eventual presença de artefatos explosivos no local, está em compasso de espera. Segundo o secretário, a licitação só será feita caso as garantias de segurança e integridade sejam apresentadas pelas Forças Armadas e o Ministério da Defesa.
“Não é possível realizar (obras) em um local em que haja risco à vida e à saúde de qualquer pessoa”, disse.
O local escolhido para o novo autódromo é de propriedade militar. Durante anos foram realizados exercícios no terreno, incluindo inúmeras detonações de explosivos.
O secretário do Ambiente do Rio de Janeiro, Carlos Minc, informou que há uma determinação da Justiça para que seja feito um estudo de impacto ambiental para se analisar o risco de explosões no terreno de Deodoro.
“Nós acatamos a decisão e o objetivo é ver o risco de explosão. A concessão de licença ambiental está condicionada a isso”, disse. “Ninguém é doido de desenvolver obra num local em que podem explodir bombas e artefatos. Não haverá obra se essa questão não for completamente resolvida”.
Além do autódromo, em Deodoro também será construído um complexo de instalações esportivas para a Olimpíada. Nessa quinta-feira, foram apresentadas notas dos seis consórcios que elaboraram projetos conceituais para o local, que receberá sete competições olímpicas, incluindo hipismo, moutain bike, e pentatlo moderno.
A licitação para escolha da empresa que vai executar a obra do complexo deve ocorrer só no fim deste ano.
Terra/montedo.com

5 respostas

  1. Ahahah… Engenharia??? Onde estava a engenharia qd apareceu esta bomba? Provavelmente ganhando em dólares la no haiti… E o trabalho como sempre sobrando pros trouxas de tropa…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo