Em entrevista, General Santos Cruz fala sobre a missão no Congo

General Santos Cruz sobre o Congo: “Temos autorização para neutralizar os grupos armados”
O general Carlos Alberto dos Santos Cruz conversou por telefone com Zero Hora sobre a instabilidade política na República Democrática do Congo e a importância da intervenção
Guiherme Mazui
Após chefiar a missão de paz da Organização das Nações Unidas (ONU) no Haiti, o general brasileiro Carlos Alberto dos Santos Cruz recebeu um novo desafio:repetir o trabalho em terras africanas. Gaúcho de Rio Grande, aos 60 anos o militar comandará mais de 20 mil homens que tentam estabilizar a República Democrática do Congo (RDC).
Batizada de Monusco, a missão tenta pacificar um país com 63,6 milhões de habitantes, que há duas décadas convive com ataques de grupos armados e instabilidade política. Comandante no Haiti entre 2007 a 2009, Santos Cruz atuava no momento como assessor especial de Defesa na Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. Em Brasília, o general conversou com Zero Hora. Confira os principais trechos.
Zero Hora – A missão na África é mais difícil do que a do Haiti?
Carlos Alberto dos Santos Cruz – Tenho 44 anos de Exército e pensei que o Haiti seria o grande desafio da minha carreira, mas esta nova missão é algo maior. O convite veio graças ao bom desempenho do Brasil em outras missões. É um reconhecimento internacional.
Zero Hora – Qual a diferença da nova missão para a do Haiti?
Santos Cruz – Cada missão tem sua característica, mas o Congo é um país gigante, com quase 70 milhões de habitantes, enquanto o Haiti é pequeno. Muda a forma de agir. Mas o que importa é que precisamos resolver o problema, que é igual em todos os lugares: o sofrimento das pessoas, as mortes causadas pela instabilidade do país.

Leia também:
Após levar ‘carona’ para a quarta estrela, general brasileiro é convidado para comandar missão da ONU no Congo

ZH – Quando o senhor pretende desembarcar na África?
Santos Cruz – O convite formal para o governo brasileiro chegou hoje [em 24 de abril]. É preciso vencer uma etapa burocrática antes de viajar. Espero resolver tudo o mais rápido. É possível que em maio já esteja no terreno de combate.
ZH – Em que região do país o senhor ficará?
Santos Cruz – O quartel-general da ONU é na capital (Kinshasa), mas os conflitos mais graves são no leste do país. O comandante tem de estar junto de seus homens, nos locais de maiores dificuldades. O risco vem embutido no pacote.
ZH – A região é assolada por movimentos armados, como o M23. A missão tem autorização para ocupar territórios?
Santos Cruz – A ONU criou uma brigada de intervenção. Temos autorização para neutralizar os grupos armados. Não é apenas tomar territórios ocupados por esses grupos, mas também precisamos controlar informações, evitar fluxo de armas e munições, fazer patrulhamentos, permitir que a população civil possa se deslocar pelo país.
ZERO HORA/montedo.com

16 respostas

  1. É muito fácil comandar homens livres, de dentro do seu PC com ar condicionado e cafezinho, basta apenas, somente, só isso mesmo!!! pagar a missão e mostrar o caminho.

    Por isso que eu confio nos nossos Chefes, pois sei que: " os chefes estão atentos!! sempre brigando em prol de todos, sem distinção, da força terrestre."

  2. Parabéns ao General por essa brilhante vitória em sua carreira, alavancando o reconhecimento aos guerreiros brasileiros que desempenham com exceleência suas missôes nas plagas mais distantes.

    "Sirvam nossas façanhas de modelo a toda terra"

  3. Ao prezado general meus sinceros votos de êxito na missão. Tenho certeza que estará ao lado de seus comandados, como sempre o fez! Boa sorte, boa missão!
    Ao infeliz de 30 de abril de 2013 08:22, digo que sinto pena de você, pois com certeza sua infelicidade deve doer mais que pedra nos rins!
    Infa Brasil!

  4. General Santos Cruz, mais uma vez provando a que veio, para comandar e, mais do que isso, arriscar a própria vida em terreno notoriamente hostil. Não é para qualquer "chefe".

    Sucesso na missão. Será muito bem cumprida. Felicidades!

  5. Boa Sorte ao General pelo êxito em sua carreira, o que aliás é o que todos os generais conseguiram até agora, êxito na própria carreira, falar na tropa e na verdadeira realidade das forças armadas sucateadas, relegadas a 10º plano, é outro papo. Parabéns ao General e a todos os outros Generais.

  6. Montedo ficou com medo de postar meu comentario? Só pq citei o alto comando? Não ofendi ninguém no meu comentário e vc não postou!! Tá certo que o blog é seu, mas vc deveria dar mais espaço as opiniões e não moderar (censurar) tanto

  7. Maravilhosa oportunidade de mostrar que as FFAA brasileiras tem gente competente.Sucesso. Acontece, que elementos mau intencionados, locupletando-se,usam a simbologia da boina azul, honrada´por muitos soldados, para satisfazer interesses pessoais, criam associações, institutos com o único intuíto de promoverem-se. Gente sem carater.

  8. Com a iminente probabilidade de entrar em combate, vamos ver quantos vão ficar brigando para ir…os peixes de Brasília já devem estar mexendo os pauzinhos…PARA Ñ IREM. RSRSRSRRSRSRS…

  9. Parabéns aos nossos bravos generais que estão "por omissão voluntária" destruindo tudo o que outras gerações levaram muito tempo para construir. Quanto aos iludidos, nada de anormal, continuem tocando a música enquanto o barco afunda.

  10. Este convite da ONU para o Gen Santos Cruz é um tapa de luva de pelica na cara destes Gen 4 estrelas que temos, no Misnistro da Defesa e na Presindente, não quizerma promover ele, e agora ele recebe um convite tão importante como este. Para ser Gen 4 estrelas ele não pode, mas comandar uma tropa deste nível ele pode…………

  11. Parabéns General, sucesso na missão. Infelizmente no Brasil são poucos dessa estirpe, a maioria quer mama nas tetas do STM e da Nação.

  12. Foi comandante do corpo de alunos na Prep em 94 e desde aquela época já evidenciava enorme liderança e excelente preparo físico.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo