Escolha uma Página

Comentário na postagem:
A desvalorização das praças do Exército

Anônimo disse…

Em mais de duas décadas de EB vi algumas coisas mudarem lentamente:
1- “antigamente” uma das frases de quartel era: quem dá a missão, dá os meios. Hoje é: se vira negão!
2- “antigamente” os oficiais tinham conhecimento de leis, regulamentos, ir, ig e etc. Um auxiliar de seção podia tirar dúvida com o oficial. Hoje, com raras e honrosas exceções, o oficial é um despachante de luxo: apenas leva os documentos numa pasta para despachar e quando o Cmt “aperta”, mandam chamar o auxiliar que fez o documento.
3- o respeito entre os militares caiu muito porque “antigamente” as alterações eram apuradas e, havendo transgressão ou crime, os responsáveis eram punidos. Hoje “é o que é” ou “cica” (ciente, cag…).
4- “antigamente” autoridade e responsabilidade andavam juntas e eram diretamente e reciprocamente proporcionais. Hoje, com raras e honrosas exceções, a autoridade normalmente é usada para se manter longe de problemas do dia-a-dia de um quartel e apenas receber as facilidades e algumas outras benesses de tais cargos.
5- “antigamente” o concurso da EsSA era bastante concorrido e hoje, em 2012 pela primeira vez na história dos concursos para sargento, sobraram vagas.
Lentamente, muita coisa está mudando.
Devemos nós também “mudar”? Pesquisando na internet vemos vagas e mais vagas em concursos públicos para todos os níveis de escolaridade. Todos nós temos grande capacidade, pois cada um sabe o preço que teve que pagar para chegar aonde chegou: os Sgt QE de hoje foram escolhidos entre os melhores soldados de sua época; os subtenentes e sargentos de hoje passaram em concurso que muitos amigos da escola ou do bairro não passaram; os oficiais passaram em concurso de enorme grau de dificuldade. Temos sim, plena capacidade. Basta avançar na direção certa. Vamos estudar, porque a educação faz a gente transformar a nossa realidade. 
Deixar de fazer as obrigações no quartel ou qualquer outro ato contrário aos regulamentos é “dar murro em ponta de faca”. Basta estudar e tentar mudar a sua realidade, saindo pela porta da frente, da mesma forma que entramos. É isto o que estou fazendo agora, pois já cansei de esperar!
Skip to content