Escolha uma Página
MP Militar investiga gestão de general
Procuradores analisam cinco convênios, no valor de R$ 62,5 milhões, dos Jogos Mundiais Militares

CARLA ROCHA
LUIZ ERNESTO MAGALHÃES

Planejamento. O general do Exército Jamil Megid Júnior era responsável pela coordenação do evento
Foto: Paulo Mumia / Divulgação
Planejamento. O general do Exército Jamil Megid Júnior era responsável pela coordenação do evento Paulo Mumia / Divulgação
RIO — O Ministério Público Militar do Rio abriu um procedimento investigatório criminal (PIC) para analisar a gestão dos Jogos Mundiais Militares, realizados em 2011. Os procuradores Edmílson Pires e Maria de Lourdes Gouvea Sanson se concentram em cinco convênios que, somados, chegam a R$ 62,5 milhões. Na época dos fatos, o general Jamil Megid Júnior era o coordenador de planejamento dos Jogos Militares. Ele foi nomeado na última segunda-feira pela presidente Dilma Rousseff para coordenar as Forças Armadas durante os próximos megaeventos: Copa das Confederações (2013), Jornada Mundial da Juventude (2013), Copa do Mundo (2014) e os Jogos Olímpicos de 2016.
Tribunal de Contas da União vê indício de superfaturamento em contrato dos Jogos Militares
Sem conservação, Miécimo da Silva é excluído da lista de sedes dos Jogos Mundiais Militares
Caso o MP conclua que houve crime militar por parte do general Jamil Megid Júnior, o PIC terá que ser encaminhado ao Superior Tribunal Militar porque ele tem direito a foro privilegiado. Militares de outros órgãos do Exército e os responsáveis pelas fundações subcontratadas e pelas empresas que prestaram serviços através dos convênios, além de pessoas físicas, também são investigados.
As investigações começaram após O GLOBO publicar, em 16 de setembro de 2010, uma reportagem mostrando que o Tribunal de Contas da União (TCU), ainda durante os preparativos para o evento, havia encontrado irregularidades em contratos para a competição que somavam R$ 27,3 milhões.
Os convênios foram feitos com a Fundação Ricardo Franco, Fundação de Apoio Roberto Trompowsky Leitão de Almeida e o Instituto de Fomento e Inovação do Exército Brasileiro que, por sua vez, subcontrataram empresas. Segundo o TCU, nos processos faltavam informações sobre quantidades de equipamentos e serviços que eram oferecidos. A responsabilidade de gerenciar e fiscalizar os convênios era do comitê gestor dos Jogos Mundiais Militares.
Recentemente, o TCU encontrou indícios de superfaturamento em um contrato, desta vez no total de R$ 2,6 milhões, para fornecimento de mobília das vilas que hospedaram os atletas miliares. Apontado pelo relatório do TCU como um dos responsáveis no caso, o general Jamil está recorrendo.

Leia também:
Jogos Mundiais Militares: TCU responsabiliza oficiais do Exército por superfaturamento

General nomeado para segurança da copa responde por superfaturamento nos Jogos Mundiais Militares

Processos também analisados pelo TCU
Por meio de nota na sexta-feira, o Ministério da Defesa informou que o general Megid tem prestado, oportunamente, todos os esclarecimentos necessários no que diz respeito à sua atuação nos Jogos Mundiais Militares. E continuará a prestá-los, no foro adequado, sempre que houver necessidade.
Através dos convênios, as fundações foram autorizadas a gerenciar, coordenar e implantar serviços de informática, telecomunicações, entre outros serviços técnicos. Os contratos foram firmados em setembro de 2009 com validade até este 2012 — ou seja, depois de o evento ter sido realizado. Em paralelo, o Tribunal de Contas também investiga alguns desses contratos mas os processos não chegaram ao plenário: estão em análise pelos técnicos do órgão.
A Fundação Ricardo Franco, um dos alvos do PIC, é vinculada ao Instituto Militar de Engenharia (IME) e já foi alvo do Ministério Público Militar por suspeita de irregularidades em parcerias com outro órgão das Forças Armadas.
Numa série de reportagens em maio de 2010, O GLOBO revelou que a entidade era suspeita e fraudes em várias licitações do próprio IME e do Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre (Dnit). As licitações, no valor de R$ 15,5 milhões, foram realizadas entre os anos de 2004 e 2006. Em julho de 2011, o MP Militar ofereceu denúncia contra seis militares e nove civis acusados de participarem das fraudes. Entre os denunciados, estavam cinco generais.
A realização dos Jogos Mundiais Militares foi cercada por outros problemas nos preparativos. O orçamento estimado inicialmente era de R$ 1 bilhão. Mas, quando foi divulgado oficialmente, a conta já estava em R$ 1,2 bilhão. Aditivos em projetos e outros contratos aumentaram mais as despesas, que subiram a quase R$ 1,5 bilhão.
Duas vilas foram entregues para o evento sem todos os apartamentos fossem concluídos. O edital de licitação da Vila da Aeronáutica, por exemplo, foi revisto depois que o TCU encontrou indícios de sobrepreço de R$ 23 milhões. O contrato ainda está sob investigação do TCU.
O Globo/montedo.com
Skip to content