Escolha uma Página
Ex-presidente do Partido dos Trabalhadores, José Genoino na CPI do mensalão em 2005 em Brasília
SÃO PAULO, 10 Out (Reuters) – O ex-presidente do PT José Genoino anunciou nesta quarta-feira que deixa o cargo de assessor que ocupa no Ministério da Defesa após sua condenação na ação penal do chamado mensalão no Supremo Tribunal Federal. Genoino declarou-se indignado com a decisão do Supremo e disse ser vítima de “injustiça monumental”.
Em carta aberta lida a jornalistas na sede do PT em, São Paulo, Genoino também disse que se dá ao direito de discutir “aberta e democraticamente” a decisão de sete ministros do STF que o consideraram culpado de corrupção ativa no julgamento do mensalão.
“Retiro-me do governo com a consciência dos inocentes. Não me envergonho de nada. Continuarei a lutar com todas as minhas forças por um Brasil melhor, mais justo e soberano, como sempre fiz”, disse o ex-dirigente petista em sua carta.
“A Corte errou. A Corte foi, sobretudo, injusta. Condenou um inocente. Condenou-me sem provas”, afirmou. Genoino, que além de presidente do PT foi deputado federal por São Paulo, disse ainda que o julgamento do mensalão “transformou ficção em realidade”.
Disse também que ele acontece “matematicamente” ao mesmo tempo que as eleições municipais e que é parte de uma “campanha de ódio” contra o PT.
“Esse julgamento ocorre em meio a uma diuturna e sistemática campanha de ódio contra o meu partido e contra um projeto político exitoso, que incomoda setores reacionários incrustados em parcelas dos meios de comunicação, do sistema de Justiça e das forças políticas que nunca aceitaram a nossa vitória”, disse.
“Nessas condições, como ter um julgamento justo e isento?”, questionou.
Genoino elaborou a carta em conjunto com seu advogado Luiz Fernando Pacheco na manhã desta quarta. Segundo Pacheco, o ex-deputado considerou ser necessário manifestar sua indignação com a decisão e decidiu deixar o cargo na Defesa para não constranger o governo da presidente Dilma Rousseff.
O ex-presidente petista contou com a solidariedade de membros do diretório nacional do partido, que garantiram apoio total ao colega.
Denunciado em 2005 pelo ex-deputado federal Roberto Jefferson (PTB), o mensalão foi, segundo o STF, um esquema de desvio de recursos públicos para a compra de apoio político ao governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Congresso.
Genoino era presidente do PT à época do escândalo e, segundo a denúncia do Ministério Público Federal (MPF) representaria o então ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, nas negociações para compra de apoio político. Ele também assinou empréstimos que o STF considerou ilegais.
Além de Genoino, Dirceu e o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares foram condenados pela maioria dos ministros do STF.
(Por Eduardo Simões; Reportagem adicional de Ana Flor, em Brasília)
Yahoo Notícias/montedo.com
Skip to content