Escolha uma Página
Pois é. Ontem (27) dona Dilma participou da premiação da 7ª OBMEP (Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas).
Vocês lembram, publiquei aqui no blog, em 21 de fevereiro, a seguinte notícia:

Como tem sido rotina desde sua criação, a Olimpíada Brasileira de Matemática de Escolas Públicas (OBMEP), em sua sétima edição, apresentou amplo predomínio dos alunos dos Colégios Militares, principalmente os do Exército.



Apenas entre os que receberam medalha de ouro, nos três níveis de avaliação, figuram 183 alunos dos colégios militares  entre os 499 premiados. O número representa impressionantes 36,67 % do total.


Leia também:

Confira a relação dos alunos premiados com a Medalha de Ouro: 

Confira aqui a relação de todos os alunos e colégios premiados (fonte: OBMEP)
Este é, sem dúvida, o indicativo mais visível da excelência do ensino ministrado pelas instituições militares de ensino que, não é de hoje, são alvos da cobiça dos tentáculos ideológicos da esquerdalha que governa o país e aparelha tudo o que pode, desde o STF até associações de catadores.
Oxalá os comandantes militares saibam preservar esta joia valiosíssima que é o Sistema Colégio Militar do Brasil (SCMB), patrimônio da Nação e de suas Forças Armadas.

Como sempre, o pano de fundo foi o velho pragmatismo petista, no melhor estilo Rubens Ricúpero: “O que é bom, a gente mostra, o que é ruim, a gente esconde”. No caso, ‘ruim’ ou ‘bom’ para a ‘causa’, bem entendido.
Bom para a ‘causa’: o fato de 500 alunos de escolas públicas terem atingido excelentes resultados em uma competição de âmbito nacional.
Ruim para a ‘causa’: o fato que, do total, 183 alunos estudem em Colégios Militares mantidos pelo Exército Brasileiro (36,7% do total), além do número expressivo de alunos dos colégios das policias estaduais. Índices, diga-se, que vem se repetindo desde a primeira edição da OBMEP, em 2005.
Ruim por quê, Montedo?
– Por que os resultados obtidos por esta gurizada nada têm a ver com ações do governo, via MEC (leia-se Fernando Haddad, candidato a prefeito de São Paulo), para a melhoria da qualidade de ensino nas escolas públicas. Eles são consequência de uma política de ensino continuada que, queiramos ou não, é mérito das Forças Armadas e garante padrões de excelência no aprendizado desde a época do regime militar, e mesmo antes.
– Por que, mapeando os demais alunos premiados, nota-se que raros pertencem à mesma escola, e vários são de escolas com baixo desempenho no IDEB, ou seja, os resultados obtidos não são fruto de uma política pedagógica coordenada, mas sim do esforço e capacidade  individual dos jovens e da dedicação de abnegados professores.
O governo usa a OBMEP como peça de propaganda, mas não convém à ‘causa’ dar publicidade ao desempenho dos Colégios Militares. Esta pode ser uma explicação para o fato dos alunos terem de usar camisetas promocionais da Olimpíada, e não o uniforme de suas escolas.
Outro exemplo de demagogia barata é a foto ‘oficial’ da premiação, postada no blog do Planalto.
Onde foi colocada a única menina negra entre os alunos premiados? Bem no centro, de rostinho colado com Dilma, numa propaganda subliminar (ou nem tanto) da política de cotas do governo.
Até Sérgio Cabral pega uma carona fazendo propaganda de seu governo que, objetivamente, só organizou a cerimônia de premiação. Se a solenidade ocorresse em São Paulo, será que Alckmin, que não é da ‘tchurma’, teria a mesma colher de chá?
Não é por acaso que ícones petistas como o impoluto José Dirceu pregam o controle do sistema de ensino das Forças Armadas. Tal nível de excelência é uma afronta aos padrões de qualidade da vanguarda do atraso.
Skip to content