Escolha uma Página
Em Marabá, general graduado assume problemas do Exército
Luna disse que as reportagens são verdadeiras, mas que as fontes, generais da reserva, estão desatualizadas quanto à realidade, e os investimentos já começaram a acontecer


Patrick Roberto

General Joaquim Silva e Luna, chefe
do Estado-Maior do Exército

O chefe do Estado Maior do Exército Brasileiro, general-de-exército Joaquim Silva e Luna, esteve nesta sexta-feira (17) em Marabá para a passagem de comando da 23ª Brigada e não escapou de perguntas sobre a precariedade da estrutura daquela força terrestre, denunciada nacionalmente pela imprensa. Luna disse que as reportagens são verdadeiras, mas que as fontes, generais da reserva, estão desatualizadas quanto à realidade, e os investimentos já começaram a acontecer nos últimos dois anos.

Entre outras coisas, a série de reportagens do portal G1, divulgou que o EB não teria munição suficiente para uma hora de guerra, que o armamento tem 35 anos, que os fuzis e blindados são das décadas de 1970 e 1980 e que a artilharia antiaérea parou no tempo, com alcance limitado.
Ao CORREIO DO TOCANTINS, o general respondeu: “Uma grande parte do material velho e obsoleto já está sendo substituído. A parte de armamento, viaturas de um modo geral, são situações que estão mudando, eu diria, rapidamente”.
Silva e Luna não fugiu das perguntas nesse sentido e nem criticou a reportagem ou as fontes desta, preferindo contemporizar quanto à atualidade das informações. “Essas informações divulgadas recentemente, algumas foram colhidas junto a oficias da reserva, que têm ainda uma visão de três, quatro anos atrás. Isso tem sido mudado. Tem havido um cuidado do governo, da sociedade, dos poderes e da nossa força”, garante.
Em seguida, o general-de-exército ainda afirmou que a Amazônia está nesse contexto e será contemplada com material e melhores condições. Uma das situações apontadas nas reportagens do G1 é de que o EB precisa investir em mais batalhões de fronteira e aprimorar o que já é feito para guarda dos 17 mil km de linha fronteiriça do Brasil com outros 10 países.

Leia também:
Sucateado, Exército não teria como responder a guerra, dizem generais

ESTRATÉGICA
Passagem de comando da 23ª Brigada de Infantaria de Selva

Sobre a unidade do Exército que ele veio visitar e que estava trocando de comando, o chefe do Estado Maior respondeu: “A 23ª Brigada é a mais importante brigada do Comando Militar da Amazônia, pela sua responsabilidade em área tão extensa e sensível do Brasil. Diria que é uma área que junto com o seu crescimento, pujante, traz consigo os conflitos naturais da organização. A presença do Exército aqui tem, entre outras razões, a de garantir a lei e a ordem”.

Skip to content