Escolha uma Página
Num voo comercial saindo de Porto Alegre , o piloto gaúcho e bageense Salustiano Flores, liga o microfone e começa a falar com os passageiros:
– Bueno indiada, aqui é o piloto, Capitão Salustiano, guasca tropeiro parido com muito orgulho em Bagé.
Deixei minha chinoca e meu cavalo pra ter a satisfação de acompanhar as senhoras e os senhores nessa bagaça de voo com destino a São Paulo e escala em Florianópolis, quintal de minha querência, o meu Rio Grande amado.
Neste exato momento, têmo voando a 9 mil metro de altura, sacudindo as melena, velocidadezita de 860 Km/hora, e jatemo sobrevoando a cidade de…
– ….OHHHHHHHPAAA!!!
– BARRRRRBARIDADE!!! DEEEEEUZULIVREEE, COMO FOI ACONTECER ISSO!!! 
– PATRÃO VELHO, QUE CAGAAAAADA…!
E os passageiros escutam aqueles gritos pavorosos, seguido de um barulho infernal…
– NÃÃÃÃOOOOOOO….!!!!!!
Segundos depois, o gaudério pega o microfone e, rindo, meio sem graça, se desculpa:
– Bah! Me desculpem xiruzada, pelo “esparramo” aqui na cabine, mas é que me descuidei e me escapou da mão a cuia do meu chimarrão, que caiu bem encima da minha bombacha nova. Sacumé, água meio quente … e tal, me queimou ozôvo!!!!
– Vocês precisam ver como é que ficou a parte da frente da minha bombacha tchê!!!
Nisso grita um lacaio lá do fundo do avião ….
– Seu Gaudério filho da puuuuuuutaaaaaaaaa! E você precisa ver como ficou a parte de trás da minha calça!!!
Skip to content