Escolha uma Página
Atualização: 0h
Insatisfação nos Quartéis
Dilma faz reunião hoje para tratar do reajuste aos militares das Forças Armadas

Em meio a pressões por aumento salarial de todos os lados, a presidente Dilma Rousseff convocou uma reunião no Planalto para discutir o assunto. A presidente está preocupada particularmente com a situação dos militares, que se queixam de estar sem aumento há 11 anos. Eles pedem 47%, mas pelas primeiras tratativas não devem levar mais do 20%, que seriam concedidos em parcelas até 2014. Hoje será um dia de manifestações salariais em Brasília realizadas por pelo menos duas outras categorias: médicos e auditores da Receita Federal.

A preocupação do Planalto em relação ao pessoal do Exército, da Marinha e da Aeronáutica é que há mobilização salarial também de polícias militares pelo Brasil todo. Há risco de os dois grupos se unirem para pressionar o governo. Além disso, já há uma “marcha virtual” em andamento, liderada por militares da ativa, que buscam adesões na internet, para que o reajuste seja objeto de discussão no Congresso, em uma de suas comissões, a de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado.

Até a quarta-feira da semana passada, podiam ser vistas quase 400 mil assinaturas de militares e civis que apoiam o movimento, enviando para a página do Senado, pedido de realização de audiência com autoridades como os ministros da Defesa, Celso Amorim e do Planejamento, Miriam Belchior, para tratar de aumento salarial. Só que, estranhamente, na sexta-feira, a página do Portal da Cidadania do Senado deixou de registrar o número de adesões e, agora, se limita a colocar “+ de 10 mil” apoios.
Os militares ficaram frustrados, ontem, com a mensagem da presidente Dilma Rousseff lida na cerimônia de comemoração da Batalha Naval de Riachuelo. Eles esperavam que ela fizesse algum aceno em relação ao aumento. Dilma limitou-se a pedir que os militares “mantenham a motivação, o profissionalismo e a dedicação”. Mas não passou nem de longe no tema que mais lhes interessava: reajuste. “A presidente falou duas vezes em motivação. Mas como conseguir manter a tropa motivada com graves problemas salariais?”, comentou um oficial, que preferiu não se identificar.
Além das pressões internas nos quartéis sobre seus comandantes, as mulheres dos militares estão convocando para o próximo domingo, aproveitando a realização da Conferência Rio+20, “um grande panelaço e saída para marcha até o Forte Copacabana”.
Jornal de Brasília/montedo.com
Skip to content