Escolha uma Página

Primeiro medalhista de ouro do Brasil é inspiração para militares atletas

Vinícius Galante

guilherme paraense tiro Primeiro medalhista de ouro do Brasil é inspiração para militares atletas
Militares treinam tiro em escola na Academia Militar das Agulhas Negras; à direita, busto de Guilherme Paraense, primeiro brasileiro a ganhar ouro na história olímpica

Foi o militar Guilherme Paraense que ganhou a primeira medalha de ouro da história no Brasil na Olimpíada. O feito aconteceu na prova do tiro na edição de Antuérpia (Bélgica), em 1920.
À época, Guilherme sequer sabia que estava fazendo história, mas hoje ele é inspiração para militares atletas que treinam na Aman ( Academia Militar dos Agulhas Negras), em Resende (RJ). Uma delas é a pernambucana Yane Marques, do pentatlo moderno, modalidade originária no exército.
Yane ganhou a medalha de ouro no Pan do Rio, em 2007, e a prata na edição de 2011, realizada em Guadalajara, no México. Entre os resultados destacados recentes está o sexto lugar na Copa do Mundo.
A reverência a Guilherme Paraense está em um busto do militar localizado na entrada da escola de tiro. Outro integrante do exército homenageado em Resende é o já falecido Cláudio Coutinho, técnico da seleção brasileira de futebol na Copa do Mundo de 1978. Ele dá nome a um dos centros esportivos do complexo.
R7/montedo.com

Um pouco de história:
Guilherme Paraense (Belém, 25 de junho de 1884 — Rio de
Janeiro, 18 de abril de 1968) foi o primeiro esportista brasileiro a conquistar
uma medalha de ouro nos Jogos Olímpicos. Foi atleta do Fluminense Football
Club.
Militar integrante do Exército Brasileiro, com a patente de
tenente, Paraense embarcou para Antuérpia, em 1920, com mais sete companheiros
a bordo do navio Curvello, todos por conta própria, e desceram em Lisboa, de
onde prosseguiram de trem até a Bélgica, informados de que o navio não chegaria
a Antuérpia a tempo de participarem das provas. Depois de uma viagem de 27
dias, na conexão em Bruxelas parte das armas e a munição de Paraense foram
roubadas.
Com tantos percalços, a equipe brasileira chegou aos Jogos
de moral baixa, com fome e sem material esportivo. Impressionados com a
situação dos colegas, os atiradores americanos lhes emprestaram armas e
munição, modernas e fabricadas especialmente pela Colt, e com elas os
brasileiros derrotaram seus benfeitores, ganhando ouro, prata e bronze no Tiro.
Paraense venceu a prova de Pistola Rápida, acertando na
mosca na prova de desempate individual e conquistando a primeira medalha de
ouro olímpica brasileira, em 3 de agosto de 1920, e foi medalha de bronze por
equipe na prova de Pistola Livre.
Ele morreu aos 83 anos de enfarte no Rio de Janeiro em 1968,
mais conhecido e reverenciado na Europa que no Brasil. O polígono de tiro da
Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende – RJ, leva seu nome em sua homenagem.

Tiro rápido 25 metros (masculino) Antuérpia 1920

Pos. País Atletas Pontos
Med 1.png  Brasil Guilherme Paraense 274
Med 2.png  Estados Unidos Raymond Bracken 272
Med 3.png  Suíça Fritz Zulauf 269

Wikipédia/montedo.com

Skip to content