Escolha uma Página
Força Militar: Promoção pronta para ir a voto

MARCO AURELIO REIS
O projeto que garante a promoção dos praças integrantes do Quadro Especial das Forças Armadas (como taifeiros e motoristas) ficou pronto para ser encaminhado à Câmara dos Deputados. Ele estava tramitando na Casa Civil da Presidência da República desde janeiro. A proposta tem como entrave a exigência de sete anos de serviço para o militar beneficiado ser promovido de 3º sargento para 2º sargento, mas deve seguir para o Congresso com esse artigo. Lá, poderá ser alterada.
A informação que o projeto está pronto foi repassada pelo chefe de gabinete do Ministério da Defesa, Ari Machado, o mesmo que descarta a possibilidade de o esperado reajuste dos soldos militares sair este ano. Machado deu a declaração em audiência com dirigentes das associações dos Militares da Reserva Remunerada, Reformados e Pensionistas das Forças Armadas (Amarp-DF) e de Praças das Forças Armadas (Aprafa). No encontro, não falou, porém, do entrave da exigência dos sete anos para a promoção.
O projeto que altera a Lei 10.951/2004 prevê acesso do soldado estabilizado às graduações de cabo e 3º sargento e a promoção do cabo estabilizado, taifeiro-mor e 3º sargento do Quadro Especial à graduação de 2º sargento.
Com isso, frustra quem esperava a liberação para o acesso até a graduação de subtenente, o que corrigiria uma distorção existente dentro da Força Aérea. Na FAB, o quadro especial masculino já chega à graduação de 2º sargento, enquanto que o feminino tem garantido o acesso à graduação de subtenente.
ALTERAÇÃO
Deputado federal pelo Rio, o capitão da reserva Jair Bolsonaro disse à Coluna que vai fazer gestões para reduzir o prazo de sete anos na promoção dos sargentos do quadro especial. “Taifeiro-mor com dois anos só tem mais dois de serviço. Assim não alcançará a promoção”, alerta.
SUBMARINISTAS
Também está em estado avançado a proposta que cria o Quadro de Praças da Armada Submarinistas e do Quadro Técnico de Praças da Armada. A proposta tramita com velocidade porque o grupo é indispensável para operação dos novos submarinos, em especial os de propulsão nuclear.
Força Militar (O Dia OnLine)/montedo.com
Skip to content