Escolha uma Página
Aluno passa mal em treinamento para oficiais do Exército e está na UTI de hospital em Maceió
Carlos Madeiro
Um aluno do Exército está internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) da Santa de Casa de Misericórdia, em Maceió, desde a última segunda-feira (23). O motivo, segundo os médicos, são problemas de saúde causados por fadiga muscular extrema durante a realização de um treinamento militar para alunos do curso de preparação de oficiais. Uma sindicância investiga se houve excesso dos instrutores.
Segundo o boletim médico, Gustavo Santos Lopes deu entrada no hospital com um quadro de rabdomiólise e está internado “com os rins paralisados, sendo o seu estado crítico, porém, estável.” O boletim não informa se há risco de morte.
De acordo com o site do Exército, a rabdomiólise é caracterizada por “danos à musculatura esquelética”, causado, normalmente, por “atividade intensa e prolongada”, podendo ser agravada com a privação de água e o calor.
“Quando isso ocorre, o conteúdo das células musculares é liberado na corrente sanguínea, o que pode ser potencialmente tóxico e ocasionar lesão nos rins e arritmias cardíacas, levando, em casos extremos, à morte”, informa o Exército.
Segundo relatos de uma pessoa próxima ao aluno, a atividade que Lopes realizou previa percorrer um trajeto de 16 km. As informações dão conta de que o aluno teria se queixado de estar exausto e sem condições físicas para continuar o treinamento.
Porém, o responsável pela operação teria mandado o aluno voltar à atividade, apesar de ele alegar o problema. O Exército não deu detalhes sobre as condições do treinamento que era realizado, nem confirmou ou negou se o aluno teria sido obrigado a seguir com a atividade.
Campanha
Em nota, o comando do Exército em Alagoas informou que já abriu uma sindicância para investigar o caso, que aconteceu por volta das 23h da segunda-feira, na fazenda Utinga Leão, no município de Rio Largo, região metropolitana de Maceió.
Aluno do NPOR (Núcleo de Preparação de Oficias da Reserva) do 59° Batalhão de Infantaria Motorizado, Lopes realizaria uma marcha a pé, conforme informou o Exército. A atividade era prevista no acampamento do período básico, mas o recruta passou mal durante o treinamento e foi conduzido ao hospital, onde foi diagnosticado o problema.
Os casos de rabdomiólise levaram a Exército a lançar uma campanha, em 2010, para controle, prevenção e tratamento da doença. Segundo o texto da campanha, é necessário “incentivo à hidratação durante as atividades físicas e orientação para que os treinandos não façam uso de complementos alimentares sem acompanhamento médico ou de um nutricionista”, afirma, ressaltando que o “exercício da liderança exige a preocupação permanente com a saúde e o bem-estar dos subordinados”.
UOL/montedo.com


Comento:
Relembrando, um aluno deste mesmo NPOR do 59 BIMtz morreu em outubro de 2010, vítima de afogamento durante um exercício. Quatro militares foram indiciados em IPM pela morte de Lemysson Rodrigues dos Santos.

Confira:
MORTE NO NPOR EM ALAGOAS: FAMÍLIA DIZ QUE ALUNO ERA EXCELENTE NADADOR E CONTRATA PERITO PARA INVESTIGAR!

QUATRO MILITARES SÃO INDICIADOS PELA MORTE DE ALUNO DO NPOR EM ALAGOAS. ALUNO CONTA COMO ACONTECEU

Skip to content