Escolha uma Página
A presidente Dilma Rousseff não tratou da questão da compra dos caças franceses Rafale, que conta com o apoio da Índia, durante as conversas que manteve com seus interlocutores indianos, afirmaram à agência AFP fontes ligadas à presidência brasileira. “Não se falou do Rafale”, assegurou uma fonte da equipe presidencial, antes de acrescentar que “não era o lugar para isso”.
“A decisão brasileira não será tomada antes de maio”, depois do segundo turno da eleição presidencial francesa, acrescentou a fonte. Indagada pelos jornalistas sobre seus eventuais contatos sobre o tema durante sua visita à Índia, a presidente se limitou a manter silêncio. A imprensa brasileira contava que, no encontro de Rousseff com o primeiro-ministro indiano, Manmohan Sighn, o tema fosse abordado.
O Brasil deve definir este ano uma licitação para a compra de 36 aviões caças no valor de US$ 5 bilhões, num negócio em que competem o Rafale, da francesa Dassault, o F/A-18 Super Hornet, da americana Boeing, e o Gripen NG, da sueca Saab.
Analistas e fontes do governo indicaram que a decisão da Índia em entrar em negociações exclusivas com a França para a compra de 126 caças Rafale – uma licitação calculada em US$ 12 bilhões – pode ajudar a convencer o Brasil a optar pelo mesmo avião.
O titular da Defesa, Celso Amorim, não fez parte da delegação de seis ministros que acompanhou a presidente à Índia para participar na IV Cúpula dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), seguida de uma visita de Estado.
Amorim esteve na Índia em fevereiro para debater a possibilidade de um acordo técnico-militar entre os dois países, no qual o Brasil já apresentou um projeto.
No encerramento de um encontro com empresários de ambos os países, Dilma assegurou que, precisamente, o setor da defesa oferece um amplo espaço para a cooperação bilateral. Rousseff citou a associação do fabricante aeronáutico Embraer e da Defense Research and Development Organisation (DRDO) da Índia para equipar uma aeronave com sistemas de radar desenvolvidos no país asiático, como “um exemplo que devemos seguir”, afirmou.
Terra/montedo.com
Skip to content