Escolha uma Página

Tinta em porta-aviões pode ter propagado fogo


Vera Araújo ([email protected])

A tinta utilizada no revestimento do porta-aviões São Paulo foi o provável combustível que facilitou a propagação do fogo na embarcação, no último dia 22, matando um marinheiro e deixando duas outras pessoas feridas, na Ilha das Cobras, na Baía de Guanabara. A hipótese foi levantada pelo engenheiro Masaki Yokoyama, a serviço do Ministério Público Militar.
Amostras do revestimento da embarcação já foram coletadas e serão analisadas pela perícia da Marinha. Segundo Yokoyama, ainda não há informações suficientes para afirmar o que provocou o acidente. Suspeita-se, porém, que o aquecimento ou um curto-circuito num ventilador possa ter sido a causa do incêndio.

Leia também:
Incêndio no porta-aviões São Paulo mata um e fere dois militares no RJ. E não foi por falta de aviso!

Seis incêndios em sete anos: Ministério Público investiga morte no porta-aviões São Paulo

Clima de revolta à bordo do porta-aviões São Paulo

O inquérito policial-militar vem sendo acompanhado pela procuradora de Justiça Militar Hevelize Jourdan Covas Pereira e pela promotora de Justiça Militar Ana Cristina da Silva. O que chama a atenção no caso é o fato de ter sido o segundo incêndio em seis anos no porta-aviões São Paulo, desde que ele foi comprado em 2000, da França. Por isso, os representante do Ministério Público sugeriram à Marinha que seja realizada uma reconstituição do incêndio em outro ambiente do porta-aviões com características semelhantes.
Yahoo Notícias/montedo.com
Skip to content