Escolha uma Página
Segundo o Exército, saída de familiares acontece de forma espontânea.
Ministério Público do Estado pediu retirada de crianças da área.
Crianças começam a deixar Assembleia ocupada por PMs  (Foto: Vaner Casaes/Agência A Tarde/AE )

Quatro crianças deixaram, na noite desta segunda-feira (6), o prédio da Assembleia Legislativa da Bahia, em Salvador, órgão público ocupado por policiais militares grevistas e onde já houve confronto com tropas especiais enviadas para reforçar a segurança na cidade. De acordo com o tenente-coronel Cunha, chefe de comunicação do Exército, o grupo de crianças, acompanhado por adultos, saiu espontaneamente por volta das 21h. Eles foram submetidos a exames médicos, alimentados e deixaram o local em carro particular.

O Ministério Público da Bahia (MP-BA) já havia se posicionado sobre a presença de crianças e entrou com pedido de medida cautelar para que elas fossem retiradas do local. Durante a cobertura da greve, o G1 constatou a presença de crianças entre familiares de policiais militares que ocupam a sede da Assembleia para a mobilização da categoria, que começou na terça-feira (31).
Segundo Mônica Barroso, promotora do MP-BA, o pedido de medida cautelar foi feito na noite de domingo (5) pela promotora Ediene Lousado e deferido pelo juiz plantonista na manhã desta segunda-feira (6). “O Ministério Público entende que as crianças que estão na Assembleia estão em situação de risco e podem sofrer danos à integridade física e psicológica”, afirma a promotora. Ela acrescenta que o órgão aguarda o cumprimento da decisão através das autoridades policiais.
Tensão
Por volta das 20h, os grevistas reagiram à ampliação dos cordões de isolamento que têm sido mantidos pelos militares das Forças Armadas desde o começo desta tarde. Enquanto a maioria dos soldados manifestantes se concentrava na rampa de acesso à Casa, um deles ameaçou, a bordo de um carro, invadir o primeiro e maior cordão, construído na tentativa de afastá-los de qualquer contato externo.
O condutor do carro se aproximou dos policiais do Exército, ligou o farol alto e depois recuou. Mais policiais montam um segundo cordão, menor, dentro do primeiro. No mesmo momento, centenas de homens da Companhia de Polícia de Ações em Caatinga e dezenas ônibus do Exército passaram pela área da Assembleia.
A Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) fechou os acessos do CAB, tanto da Avenida Paralela quanto pelo bairro Cabula, desde a manhã desta segunda. Segundo o órgão, eles não podem mais receber alimentos e bebidas. No espaço em que acampam, podem ser visto estoques de mantimentos, principalmente de água.
O comandante-geral da PM, Alfredo Castro, representantes da categoria e o arcebispo primaz do Brasil, Dom Murilo Krieger, estão reunidos para tentar negociação.
G1 BA/montedo.com
Skip to content