Escolha uma Página
Atualização: 15:00h
Soldado faz ex-mulher refém por cerca de 12 horas no Grande Recife
“Eu pensei que ia morrer”, disse vítima à reportagem da Globo Nordeste.
Todos estão prestando depoimento no Departamento de Homicídios.
Imagem: Ciro Guimaraes/DP/D.A.Press

O soldado do Exército Esdras Costa da Silva, de 24 anos, lotado no 14º Batalhão Logístico, está sendo investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), no Recife, por suspeita de tentativa de homicídio contra a ex-mulher, Laís Tamires Melo Souza, também de 24 anos. De acordo com a polícia, ela foi mantida refém por cerca de 12 horas, de quinta (22) para sexta-feira (23), na casa dos pais, em Abreu e Lima, na Região Metropolitana. “Eu pensei que ia morrer. Ele nunca aceitou a separação”, contou a vítima à equipe da Globo Nordeste, antes de prestar depoimento, nesta manhã.

Laís informou que eles foram casados por um ano e se separaram há cerca de 15 dias, mas ele não admitia o fim do casamento. Desde então, ela voltou a morar com os pais, em uma casa no bairro de Desterro, onde o crime aconteceu – ela estava sozinha, porque os pais viajaram para o Rio de Janeiro. Por volta das 11h da quinta-feira, ele foi ao local e tentou entrar, chutando o portão do imóvel. Assustada, Laís avisou ao batalhão do ex-marido; segundo ela, a corporação informou que ele não tinha sido localizado, mas que providências seriam tomadas.
Mais tarde, por volta das 13h, ele chegou novamente, em uma moto, com duas pessoas, que o teriam ajudado a pular o muro da casa. Ela contou à reportagem que o soldado colocou um pano na boca dela e a agrediu nos braços, onde muitas marcas de hematomas ficaram. Num descuido do ex-marido, Laís conseguiu entrar em contato com uma prima, por celular, que procurou a Polícia Militar.
Uma equipe da Companhia Independente de Operações Especiais (Cioe-PM) chegou à casa já na madrugada e iniciou a negociação. Durante esse tempo, o soldado disparou duas vezes e um dos tiros atingiu o ombro de Laís de raspão. A jovem foi solta primeiro e, na sequência, os policiais ouviram mais um disparo. Eles invadiram o imóvel e encontraram o soldado trancado num quarto. Até ele ser capturado, toda a negociação durou três horas.
Todos os envolvidos estão prestando depoimento na sede do DHPP, que fica no bairro da Imbiribeira, Zona Sul da capital pernambucana. Soldados do Exército fazem a escolta do suspeito, que deve ser autuado por cárcere privado e tentativa de homicídio.
G1/montedo.com

Confira a nota divulgada pelo CMNE:

O Comando Militar do Nordeste (CMNE) vem através deste esclarecer o ocorrido com militar do Exército.
Por volta da meia – noite desta quinta-feira, dia 22 de dezembro, o Soldado ESDRAS Costa e Silva, 24 anos, solteiro, lotado no 14º Batalhão Logístico no Recife / PE, de posse de um revolver calibre 38, invadiu a residência de sua ex-namorada no município de Abreu e Lima/PE fazendo-a refém.
O 4º Batalhão de Polícia do Exército (4º PBE) foi enviado para ajudar nas negociações. Depois de ameaças contra a civil e contra sua própria vida, houve dois disparos. Após este incidente o militar liberou a ex-namorada e logo na seqüência a Polícia Militar adentrou no local e efetuou a prisão.
O Soldado ESDRAS está sendo acompanhado por uma equipe da Polícia do Exército, que após os tramites civis, conduzirá o militar a carceragem do 4º BPE onde o mesmo será mantido.
O 14º B Log, organização militar do soldado ESDRAS, informou que o mesmo não possuía alterações em sua ficha, mas recentemente devido a mau comportamento no meio civil foi enquadrado para ser licenciado em fevereiro próximo. O Batalhão irá tomar as medidas administrativas compatíveis com o caso.

Skip to content