Escolha uma Página
Aeronáutica recomendou a militares aproximação com TCU
Militares de alta patente da Força Aérea Brasileira recomendaram a seus subordinados a criação de laços ‘amistosos’ com funcionários do TCU (Tribunal de Contas da União), responsável por fiscalizar a força.
Os documentos, de 2009, são assinados por tenentes-brigadeiros, a mais elevada patente da Aeronáutica.
Os comandantes recomendaram que os fiscais do TCU fossem convidados para ‘confraternizações’ da FAB.
A Folha de S. Paulo recebeu a documentação pelo Folhaleaks, canal criado pelo jornal para receber dados e documentos.
Em janeiro daquele ano, o tenente-brigadeiro Neimar Dieguez Barreiro, então secretário de Economia e Finanças da FAB, escreveu ofício em que disse que ‘cabe alertar’ para o ‘volume cada vez mais expressivo de demandas’ do TCU, da Procuradoria e do Judiciário, ‘tendo por motivação denúncias’.
O militar, hoje na reserva, afirmou que, ‘antevendo (…) auditorias’, os militares fossem orientados a ‘estabelecer contato amistoso’ com os secretários do TCU, ‘convidando-os a eventos’. O ofício deu endereços e telefones dos secretários de todo o país.
Em agosto de 2009, o tenente-brigadeiro Aprígio Eduardo de Moura, novo secretário de Finanças e até hoje na função, enviou ofício ao 4º Comando Aéreo Regional. Defendeu a construção de ‘laços profissionais e amistosos’ com o TCU e que fiscalizações ocorressem em ‘ambiente de harmonia’.
Em nota, a FAB disse que as orientações dos documentos tinham o intuito de alertar os comandantes sobre as ‘prerrogativas’ dos órgãos. A força defendeu as ordens e disse que ‘a harmonia das relações não pressupõe o comprometimento do profissionalismo’.

Folha de S. Paulo

Skip to content