Escolha uma Página
ESG diploma primeira turma de quadros civis em Brasília
Formatura é o primeiro passo rumo à criação do Instituto Pandiá Calógeras
Com a cerimônia de encerramento do 1º Curso Superior de Política e Estratégia (CSUPE), realizada nesta sexta-feira, no auditório do Ministério da Defesa, cumpre-se mais uma etapa para a criação do Instituto Pandiá Calógeras, previsto na Estratégia Nacional de Defesa (END).
O instituto será dedicado à formação de quadros civis para as carreiras ligadas à Defesa. Na sede carioca da Escola Superior de Guerra (ESG), na Fortaleza de São João, serão concentrados os cursos de natureza militar.
Na avaliação do comandante da ESG, general-de-exército Túlio Cherem, a data de hoje é um marco para a instituição porque assinala a presença do centro de ensino em Brasília.
“Nossa ideia é realizar um curso por ano. No próximo, pretendemos convidar o meio acadêmico da cidade”, ressaltou o general. Segundo ele, o Núcleo Brasiliense da ESG também promoverá estágios para os servidores do Ministério da Defesa e ministrará cursos sobre direito humanitário e de formação de analistas de Defesa – carreira em fase de aprovação.
Para a gerente executiva da célula de inteligência em segurança da Caixa Econômica Federal, Ana Luiza Vasconcellos, foi uma honra ser a representante da instituição no curso.
“Vim com uma expectativa muito grande e o curso a superou. A qualidade dos palestrantes, a organização e a visão ampla que passaram de Defesa para nós foi muito boa. Espero que a Caixa receba um novo convite para o próximo”, ressaltou.
Leonardo Alan da Costa, diretor do Superior Tribunal Militar, ressaltou: “Tenho certeza que muitas pessoas nunca tinham ouvido falar de alguns temas que foram abordados.”
O CSUPE
Organizado pelo Núcleo Brasiliense da ESG, criado em julho, o 1º Curso Superior de Política e Estratégia (1° CSUPE) foi aberto em 20 de setembro. Foram analisadas questões orçamentárias, proteção da fronteira, política de mobilização, necessidades de novos equipamentos e influência do cenário político internacional no ambiente interno do País.
O principal objetivo foi incentivar o estudo de assuntos da Defesa nos escalões da Administração Pública, no meio militar e junto aos setores empresariais e acadêmicos.
Cerca de 100 participantes civis e militares atenderam às aulas do curso. A carga horária foi de 57 horas de painéis e palestras, conduzidas por integrantes do Ministério da Defesa e conferencistas dos ministérios das Relações Exteriores; Planejamento, Orçamento e Gestão; Ciência, Tecnologia e Inovação; Meio Ambiente; Secretaria de Assuntos Estratégicos; Polícia Federal; Receita Federal; FIESP e pesquisadores.
Os alunos também realizaram visitas ao Centro de Guerra Eletrônica do Exército e ao Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro.
(Fotos: SO Carlos/MD)
MD/montedo.com
Skip to content