Escolha uma Página
Amorim: Brasil vai começar a retirar tropas do Haiti em março
Amorim participou de audiência na Comissão de Relações Exteriores do Senado
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil
O Brasil deverá começar a retirar, a partir de março do ano que vem, 257 militares que estão na missão de paz da Organização das Nações Unidas (ONU) no Haiti. O anúncio foi feito nesta quinta-feira pelo ministro da Defesa, Celso Amorim. Em outubro, segundo ele, a ONU deverá aprovar a retirada de 1,6 mil pessoas que atuam no país caribenho. A maior parte dos militares que deverá deixar a ilha chegou ao Haiti depois do terremoto que devastou o país, para dar reforço aos que já atuavam na pacificação. “Tudo depende da aprovação do plano (de retirada).”
Amorim disse que o Brasil será o país que menos reduzirá seu efetivo no Haiti – atualmente varia entre 2,2 mil e 2,3 mil militares. O mandato brasileiro como chefe da missão também passará por votação para ser renovado. Para o ministro, a saída das forças de paz deverá ocorrer gradualmente, de modo a entregar o Haiti para o seu próprio governo de maneira responsável. “Não devemos e não queremos nos eternizar no Haiti, mas também não vamos sair de maneira irresponsável”, disse o ministro.
Leia também:

HAITI: CHANCELER BRASILEIRO FALA EM “REDUÇÃO GRADUAL DE EFETIVOS MILITARES”

MINUSTAH: NO URUGUAI, AMORIM DEFENDE REDUÇÃO DE 15% DO EFETIVO

HAITI: MENOS MILITARES, MAIS MÉDICOS E ENGENHEIROS

Entre o efetivo brasileiro que deixará o Haiti, não devem estar militares do Batalhão de Engenharia. Eles têm atuado na reconstrução de pontes, poços artesianos, produção de energia, entre outras obras emergenciais.
Após sair de audiência pública na Comissão de Relações Exteriores do Senado, o ministro comentou também sobre os planos do governo brasileiro de colocar um satélite de comunicações em órbita. Segundo Amorim, isso está sendo agilizado porque o Brasil poderá perder o espaço que tem na órbita da Terra se não enviar o satélite. “É um esforço que está sendo coordenado pelo Ministério das Comunicações, com a participação da Defesa. Ele deverá ser de propriedade do Brasil, mas não construído aqui porque nós ainda não possuímos tecnologia para isso”, afirmou.
TERRA
Skip to content