Escolha uma Página

LINHA DURA – Polícia do Exército prende sargento do 31ª CSM na frente dos filhos e esposa
A prisão do sargento do 30ª CSM em ação da PE – Polícia do Exército na rua Herbert de Azevedo por volta de 13hs no centro de Porto Velho lembrou os “velhos tempos” da Ditadura, com uma ação “linha dura”.
O ex-candidato a deputado estadual e sargento do 30ª CSM Antonio Auto Damas Ferreira, há 20 anos integrante das fileiras do EB, personagem de reportagem do Rondoniaovivo no período eleitoral quando se dizia perseguido no seu direito de candidato está eivada de suspeitas por diversos fatores.
Logo após o período eleitoral, Sgt Damas foi transferido para Campinas (SP), com sua família ( esposa e filhos) mantendo residência em Porto Velho. Em terras paulistas, o sargento diz ter encontrado indícios de irregularidades em conduta administrativa de oficiais, onde ele trabalhava na SEACOM. Recortes de jornais de reportagem publicada pela Folha de São Paulo sobre escândalo no Dnit, com a citação de dois Generais no caso, era levado por Damas numa pasta preta por onde o mesmo andava. Outros documentos dentro da mala conteriam mais denúncias contra licitações supostamente no Estado de Rondônia.
Há cerca de 10 dias atrás, o sargento voltou para Rondônia, alegando sofrer perseguição e vigilância velada pela Inteligência do Exército. Com medo de morrer, o sargento voltou para Porto Velho e procurou o Rondoniaovivo para relatar toda a situação que o mesmo considerava estranha e ilegal. Ficou de voltar no outro dia, mas sumiu.
O sargento foi internado no Hospital de Guarnição para tratamento psicológico, de onde saiu na última sexta-feira. 
No inicio da tarde desta terça-feira (23), quando chegava em casa acompanhado da esposa e dos três filhos, seu carro foi abordado por uma viatura da Polícia Militar que dizia ter recebido denuncia anônima de existir uma arma de fogo no interior do veiculo.
Enquanto a PM fazia a revista, encostou uma viatura da PE, com a ordem de prisão contra o sargento. Os soldados encarregados da missão agiram com truculência, na frente de crianças que se desesperaram com a ação policial. Ouve gritos e choro no meio da rua. Um dos filhos, um garoto de cerca de 10 anos afirma ter levado um “pisão” dos envolvidos na prisão. Fique bem claro que não havia nenhuma arma no carro, sendo os Pms usados como “iscas” com uma denúncia vazia de porte ilegal de armas.
Damas foi algemado com uso de força moderada e colocado dentro da viatura que o encaminhou ao quartel da 17ª Brigada de Selva.
A esposa do sargento, Andrea Carla Araujo Ferreira disse que os soldados foram muitos afoitos e violentos, se negando a devolver a pasta preta de seu marido, a mesma que o sargento trouxe no Rondoniaovivosupostamente cheia de documentos comprobatórios de suas denúncias.
“ Não tinham mandado de prisão. Usaram uma viatura da PM para simular uma denuncia vazia e preparar o bote para a prisão. Fomos tratados como bandidos, com a rua enchendo de gente para ver a bagunça promovida por eles” diz Andrea.
“ Eu e minha família fomos constrangidos no meio da rua. Meus filhos entraram em choque, achando que o pai seria morto. Um trauma para o resto da vida” afirmou a mãe acompanhada dos filhos chorando na Redação do Rondoniaovivo.
OUTRO LADO
A assessoria de Imprensa da 17 BDA disse que o sargento Damas foi preso por ordem superior e deve ser encaminhado para Campinas (SP) no quartel onde está lotado, impedindo desta forma sua expulsão na condição de desertor das Forças Armadas. O caso será encaminhado para a Justiça Militar em Manaus (AM) que vai acompanhar o caso.
Skip to content