Escolha uma Página
Governo volta a procurar restos mortais de ex-guerrilheiros
Missão foi enviada ao Tocantins para retomar buscas por desaparecidos políticos
O governo federal recomeçou nesta segunda-feira (25), em Xambioá (TO), os trabalhos de busca por restos mortais de desaparecidos políticos durante a ditadura militar (1964-1985).
A expedição é organizada pelo GTA (Grupo de Trabalho do Araguaia), órgão criado para localizar, recolher e identificar os despojos de ex-integrantes da Guerrilha do Araguaia, combatida pelas Forças Armadas nos anos 70 na região Norte do país.
Na próxima quarta (27), a ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário, acompanhará a expedição. O trabalho de campo se estenderá até o dia 4 de agosto.
O GTA, reformulado em maio, é coordenado pelos ministérios da Defesa, Justiça e pela SDH. Uma equipe técnica pericial, familiares dos mortos e desaparecidos da guerrilha e representantes do Ministério Público Federal também participam das expedições.
A Guerrilha do Araguaia foi um movimento que surgiu na década de 1970 em oposição à ditadura. Até hoje, dezenas de militantes estão desaparecidos.
Em 2009, a juíza da 1ª Vara Federal do Distrito Federal, Solange Salgado, determinou que o governo federal reiniciasse as buscas na região.
Em dois anos, o grupo encontrou dez ossadas. Elas estão no Hospital Universitário de Brasília e aguardam perícia do IML (Instituto Médico Legal) de Brasília.
Sentença
No fim de 2010, a Corte Interamericana de Direitos Humanos condenou o Brasil pela não investigação de crimes cometidos por oficiais da ditadura contra ex-membros da Guerrilha do Araguaia.
A sentença, datada de 24 de novembro de 2010, afirma ainda que a Lei da Anistia, de 1979, é incompatível com a Convenção Americana sobre Direitos Humanos (também chamado de Pacto de San José, do qual o Brasil é signatário) e não pode ser “um obstáculo” que impeça a investigação do caso, bem como a identificação e a punição dos responsáveis por violações dos direitos humanos.
O caso foi encaminhado ao tribunal pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos e diz respeito a ações realizadas pelo Exército entre 1972 e 1975, quando combatia a Guerrilha do Araguaia no sul do Pará.
A alegação é de que ao menos 70 pessoas, entre militantes comunistas e camponeses, foram vítimas de detenção arbitrária, tortura, execução e desaparecimento, e que o Estado brasileiro não apurou os crimes.
Entre as determinações contidas na sentença, o tribunal pediu a continuidade de medidas de busca, sistematização e publicação de informações sobre a Guerrilha do Araguaia e qualquer violação de direitos humanos que tenha ocorrido durante a ditadura.
R7/AGÊNCIA BRASIL
Leia também:

ARQUIVOS DO REGIME MILITAR MOSTRAM QUE PADRES FRANCESES INCITAVAM VIOLÊNCIA NO ARAGUAIA

REVISTA REVELA DIÁRIO DO ÚLTIMO CHEFE DA GUERRILHA DO ARAGUAIA. JORNALISTA FALA EM ERRO “INDESCULPÁVEL”.

MILITAR REVELA DOCUMENTO QUE PODE SER DEPOIMENTO DE LÍDER GUERRILHEIRO DESAPARECIDO EM 1971

TENENTE DO EXÉRCITO QUE COMBATEU NO ARAGUAIA LANÇA SEGUNDO LIVRO SOBRE A GUERRILHA

Skip to content