Escolha uma Página
Mulheres de oficiais querem manter o empregado doméstico
Tânia Monteiro
Bem-humorados, alguns militares dizem que a portaria do ministro da Defesa, Nelson Jobim, vai mexer com a “tropa” mais sensível nas três Forças: as mulheres dos oficiais-generais, que não querem ouvir falar em perder os taifeiros como domésticos.
O trabalho nas residências dos oficiais é visto como uma extensão natural das atribuições que estão nas regras atuais. As atividades concentram-se em “tarefas inerentes à cozinha, copa e refeitórios, manutenção, limpeza, arrumação e conservação das dependências”. Para os militares, é natural que as tarefas desempenhadas em benefício da autoridade beneficiem também seus familiares e frequentadores da residência oficial.
Mas os críticos afirmam que os taifeiros, além dos quarteis e navios da Armada, só devem ser usados no trabalho de manutenção das residências oficiais, que são patrimônio do Estado. Os serviços domésticos dizem respeito à vida das famílias e elas deveriam pagar por empregados.
AGÊNCIA ESTADO

Skip to content