Escolha uma Página
MPF-BA busca explicações sobre traslados de vítimas de acidente aéreo
Órgão diz que transporte deveria ter sido realizado por voo comercial. Helicóptero caiu na última sexta-feira (17) em praia da Bahia.
O Ministério Público Federal na Bahia apura por qual motivo o traslado do corpo da jovem Mariana Noleto e das outras seis vítimas do acidente aéreo na Bahia foi realizado em aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB). Os sete ocupavam o helicóptero que caiu no distrito de Trancoso na última sexta-feira (17). Mariana era namorada do filho do governador fluminense Sérgio Cabral.
O MPF considera que existiam voos comerciais de Porto Seguro, na Bahia, até o Rio de Janeiro, e que as vítimas não estavam no exercício de função pública. De acordo com o órgão, o custo financeiro e o fundamento normativo para o valor ter sido fruto dos cofres públicos e não das famílias das vítimas já foram requisitados ao Quinto Comando Aéreo Regional. Além disso, o MPF também apura quem ordenou a missão dos traslados.
O procedimento administrativo instaurado pelo órgão foi baseado no deslocamento da jovem e logo depois estendido a todas as vítimas, que também teriam sido transportadas pela FAB. O gerente de operações da Sinart do aeroporto de Porto Seguro confirmou ao G1, na tarde desta quarta-feira (22), que a transferência de todos os corpos ocorreu via FAB. Ele não informou quem deu ordem para a missão.
O Centro de Comunicação Social da Aeronáutica informou em nota que “sempre que ocorrem acidentes aéreos, dependendo da proporção e da disponibilidade da Força Aérea Brasileira no período, variados meios são alocados para o apoio à sociedade”. De acordo com a nota, “no caso do acidente do PR-OMO, ocorrido na última sexta (17/6), um helicóptero Super-Puma do 3/8 Grupo de Aviação e uma aeronave C-95 do 3 Esquadrão de Transporte Aéreo, ambos sediados no Rio de Janeiro, foram colocados à disposição para as missões de busca e resgate e para as missões de apoio necessárias na ocasião”.
O Governo do Rio informou ao G1 que solicitou à FAB que fizesse o traslado dos corpos.
G1/BA
Skip to content