Escolha uma Página
A Revista Carta Capital divulgou o diário do ex-guerrilheiro Maurício Grabois, o “Velho Mário”, líder da guerrilha do Araguaia de 1972 a 1973, quando o movimento foi debelado pelas Forças Armadas.
Em entrevista, o jornalista Lucas Figueiredo fala dos manuscritos de
Maurício Grabois, líder da guerrilha, revelados na próxima edição de CartaCapital
 e que foram mantidos sob sigilo pelo Exército por 38 anos.

Vale a pena ler esse documento histórico e a entrevista do jornalista Lucas Figueiredo.
Destaco um pequeno trecho:

Carta Capital: Como você definiria a liderança exercida por Grabois?
Lucas Figueiredo: Ele era muito mais rígido com os outros do que com ele mesmo ou com o seu partido, o PCdoB. Grabois tinha sob o seu comando 68 combatentes, em sua maioria jovens na faixa dos 25 anos, estudantes universitários ou profissionais liberais. Gente que nunca pegou em armas antes, que nunca teve treinamento militar. Ele esperava que esses 68 neófitos, como costumava dizer, fossem capazes de enfrentar soldados profissionais das três Forças Armadas, agentes da Polícia Federal e policiais de três estados diferentes. Exigia rigor absoluto, erro zero. Como se esse pequeno grupo pudesse atuar como rambos no Araguaia. Além disso, Grabois teve graves erros de avaliação. Imaginava que, com o tempo, as massas iriam aderir à guerrilha. Mas a população local oferecia apenas apoio pontual, doava comida e oferecia abrigo para os combatentes pernoitarem em algumas ocasiões. Jamais os campesinos se dispuseram a engrossar as fileiras da insurgência. Grabois também costuma ouvir muito a Rádio Tirana, da Albânia, que pregava propaganda comunista e alardeava um grande movimento insurrecional no Araguaia. Ele passou a acreditar no que escutava. A rádio passava propaganda e ele tomava como verdade. Trata-se de um erro de avaliação indesculpável para um líder revolucionário.
Leia a íntegra do diário aqui.
Com informações de Carta Capital.
Skip to content