Escolha uma Página
Nossa missão no Rio é ganhar tempo, afirma general do Exército
Comandante da tropa precursora brasileira no Haiti, em 2004, o general Fernando Sardenberg, 52, cumpre função semelhante nos complexos de favelas do Alemão e da Penha, no Rio, ocupados desde o dia 28 de novembro.
O general afirma que sua missão é “ganhar tempo”. Para ele, a operação do Exército no Alemão permitirá à PM formar agentes para o local
“Estaremos por mais de dez meses numa região vastíssima. Estamos proporcionando ao Rio uma economia de meios considerável”, diz Sardenberg, que promete afastar soldado que cometer excessos.
OCUPAÇÃO
O Complexo do Alemão foi ocupado dia 28 de novembro, com o apoio das Forças Armadas. No dia 25, policiais já tinham entrado na Vila Cruzeiro, favela vizinha ao complexo. As ocupações ocorreram após uma série de atentados ocorridos na cidade, que resultaram em mais de cem veículos queimados.
As ações criminosas seriam uma retaliação dos traficantes contra a instalação das UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora) em morros e favelas, segundo as autoridades de segurança.
No dia 4 de dezembro, após reunião no Palácio Guanabara, o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), e o ministro da Defesa, Nelson Jobim, anunciaram que o Exército permanecerá por tempo indeterminado e poderá fazer operações de patrulha e revista dentro dos Complexos do Alemão e da Penha. Os militares, no entanto, não poderão entrar nas casas de moradores.
Caberá à Polícia Militar fazer as buscas e apreensões, portanto, nas residências. Homens do Exército circularão pelas vias das favelas e poderão revistar moradores.
Skip to content