Escolha uma Página
Irregularidades graves foram apontadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) nas obras das vilas olímpicas dos Jogos Militares de 2011, que serão disputadas no Rio de Janeiro. Segundo a publicação desta sexta-feira do jornal “Folha de São Paulo”, o prejuízo estimado chega aos R$ 23,2 milhões.
Segundo o TCU, a vila da Marinha, que receberá oito mil atletas, entre atletas árbitros e dirigentes de 110 países, foi licitada sem licença ambiental prévia, uma das obrigatoriedades para a elaboração dos edifícios.
– A ausência da licença ambiental quando da licitação ocasionou uma série de problemas, como a necessidade de alteração do projeto de locação da obra, alteração nas fundações dos prédios e atraso no início das obras – diz um dos trechos do relatório da auditoria.
A Marinha disse que será necessário trocar o tipo de concreto no local para que possa cumprir o prazo de entrega dos 22 prédios. A despesa extra é estimada em R$ 16,5 milhões.
 
Skip to content