Escolha uma Página

Inquérito do Exército aponta que “Caso ET” não passou de confusão
Versão oficial foi divulgada pela Revista Isto É publicada neste fim de semana

O inquérito do Exército que investigou a suposta aparição de um extraterrestre em Varginha, no Sul de Minas, concluiu que na verdade o caso não passou de uma confusão. Segundo o inquérito, concluído em 1997, as meninas que supostamente teriam avistado a criatura viram na verdade um homem. A versão oficial sobre o caso foi publicada neste fim de semana, 14 anos depois, pela Revista Isto É.

Segundo a revista, dois documentos foram produzidos pelo governo para apurar as ocorrências e as acusações feitas contra militares que teriam participado do caso. O inquérito tem 357 páginas e detalha depoimentos. Segundo a reportagem, o encarregado pelo inquérito, Tenente Coronel Lúcio Carlos Pereira, concluiu que um cidadão, provavelmente sujo por causa da chuva, foi visto agachado junto a um muro e então confundido com uma criatura do espaço. Um estudo fotográfico simulou a semelhança entre o homem e o suposto ET.
O homem visto no terreno baldio é Luiz Antônio de Paula, conhecido como “mudinho”, hoje com 46 anos. Ele sofre de problemas mentais e costuma ser visto agachado pela cidade catando galhos e outros objetos. Além de militares, outras três pessoas foram ouvidas. Entre elas o ufólogo Ubirajara Rodrigues, que já havia falado sobre o caso ao EPTV.com em agosto deste ano. Para ele, o inquérito deve ser levado em conta.
Segundo o Exército, o resultado é claro: nenhum ser extraterrestre foi capturado no dia 20 de janeiro de 1996.
Movimentação do Exército
O resultado de uma sindicância, realizada na Escola de Sargento das Armas, EsSA, em Três Corações, em maio de 1996, foi anexada ao inquérito. A movimentação de viaturas da EsSA, em Varginha, no dia da suposta aparição do ET foi explicada pelo então Tenente Coronel Olímpio Vanderlei Santos, hoje na reserva, apontado como chefe e o principal responsável por capturar a criatura. Segundo a revista, ele afirmou que viaturas foram para Varginha porque a cidade era o ponto de apoio para a manutenção da frota.
Morte de policial
A morte do policial Marco Eli Cherese, que teria sido vítima de um vírus estranho adquirido de um ET, também foi citada no Inquérito Policial Militar divulgado pela revista. Segundo o comandante na época do 24º Batalhão da Polícia Militar, em Varginha, Maurício Antônio Santos, o falecimento ocorreu em função de uma cirurgia para a retirada de um quisto debaixo da axila esquerda. Ele teria sofrido uma infecção hospitalar logo após a operação.
Mas a morte do policial deixou a família intrigada. O atestado de óbito dele não apontou a causa do falecimento.
Skip to content