Escolha uma Página
Amauri Knevitz Jr. | [email protected] 


Base militar brasileira vira uma filial do Beira-Rio

 A festa que tem tomado conta das principais ruas das cidades gaúchas após as recentes vitórias do Inter na Libertadores se repete nos lugares mais longínquos. Militares gaúchos em missão de paz da ONU no Haiti fazem uma filial do Beira-Rio dentro da Base Militar Brasileira Brabatt 2, em Porto Príncipe, para acompanhar os jogos do time pela internet — e comemorar depois, é claro.
Desde 1º de março no país centro-americano e em missão até 3 de setembro, Pedro Oneide Barroso enviou para o clicEsportes uma foto da celebração após a classificação à final, no confronto com o São Paulo. Segundo ele, os são-paulinos eram minoria entre os militares brasileiros.
— Sou um embaixador anônimo do meu Inter. Quando fui a Miami, vesti bombacha e camiseta do Inter, levei minha bandeira, que agora está enfeitando a minha cama aqui no Haiti, além de duas camisetas oficiais e a minha garrafa térmica colorada — conta.
Além do trabalho militar, Barroso leva a sério a missão de expandir a marca do Inter, e já tem conquistado até alguns nativos para torcer para o seu time do coração.
— Eu e outros colegas já fizemos alguns haitianos colorados. Eles adoram futebol. Os canais daqui transmitem jogos dos campeonatos europeus, então eles conhecem os jogadores brasileiros e torcem muito para a nossa Seleção.
Na próxima quarta, a decisão contra o Chivas será motivo para mais uma reunião, a mais importante delas. E Barroso espera que seja também a última:
— No Mundial, se Deus quiser, já estarei em casa. 
Skip to content